Canção do sal

por Luis Borges 1 de maio de 2017   Música na conjuntura

Cada dia do ano é dedicado a alguém, a alguma profissão ou mesmo a um determinado santo ou motivo.  Mas inegavelmente o Dia do Trabalhador, 1º de maio, mexe bastante com a sociedade em função do significado e do impacto que o mundo do trabalho e suas relações têm na vida de todos.

Neste ano de 2017 chegamos à data com a aprovação da proposta de Reforma Trabalhista pela Câmara dos Deputados e que agora passa a aguardar a votação no Senado Federal e posteriormente a sanção do Presidente da República. Ela veio precedida pela aprovação da Lei da Terceirização do trabalho e marcada pelo regime de urgência para a sua votação. A sensação é que dela também depende a salvação da pátria, como se ela, por si só, muito ajudasse a fazer cair a quantidade de brasileiros desempregados, hoje em torno de 14 milhões.

Também vale realçar a greve nacional de 28 de abril protestando contra a Reforma Trabalhista e notadamente contra a Reforma da Previdência Social, tida como outra salvadora da pátria e colidindo com várias conquistas de muitas categorias profissionais notadamente das altas castas do serviço público. O momento exige intensificação das mobilizações populares para aumentar a pressão sobre o desmoralizado e decadente Congresso Nacional na expectativa de que a movimentação das redes sociais se transforme em algo mais concreto na ruptura do silêncio que ainda permanece nas ruas.

Mesmo com a pauta que se coloca para a luta dos trabalhadores brasileiros nesse momento de condições adversas, com a brutal perda do poder aquisitivo dos salários em função da recessão econômica dos últimos anos, vale a pena refletir um pouco sobre a origem da palavra salário.

Segundo a Wikipédia:

“o trabalho antigamente era pago em proteção, abrigo ou em mercadoria, esta mercadoria por sua vez, era o sal. Salário deriva do latim salarium, que significa “pagamento de sal” ou “pelo sal”. O termo vem do antigo Império Romano, pelo fato que o sal valia como seu peso em ouro, pois ele era antigamente uma das poucas maneiras para preservar a carne”.

Para concluir essa abordagem sobre o dia do trabalhador me lembro da Canção do Sal, música composta por Milton Nascimento em 1967, portanto há 50 anos, e que faz parte do disco Travessia, o primeiro da sua brilhante carreira. Ouça aqui Canção do Sal na voz de Elis Regina.

Canção do Sal
Fonte: Letras.mus.br

Trabalhando o sal é amor é o suor que me sai
Vou viver cantando o dia tão quente que faz
Homem ver criança buscando conchinhas no mar
Trabalho o dia inteiro pra vida de gente levar

Água vira sal lá na salina
Quem diminuiu água do mar
Água enfrenta sol lá na salina
Sol que vai queimando até queimar

Trabalhando o sal pra ver a mulher se vestir
E ao chegar em casa encontrar a família sorrir
Filho vir da escola problema maior é o de estudar
Que é pra não ter meu trabalho e vida de gente levar.
  Comentários
 

Imposto sobre a renda?

por Luis Borges 28 de abril de 2017   Pensata

Felizmente está chegando ao fim a fase mais cansativa da entrega da declaração do Imposto de Renda da pessoa física, marcada para se encerrar às 23h59min deste 28 de abril.

Como ocorre todos os anos é muito grande a falação nos principais meios de comunicação em torno do tema. Tudo começa a aquecer quando a Receita Federal anuncia a liberação do programa do rascunho da declaração, prossegue com o anúncio do programa que será usado, geralmente com uma pequena novidade justificada como aperfeiçoamento do modelo, e tudo vai se intensificando com a proliferação de dicas, esclarecimento de dúvidas, cuidados com as informações corretas, multas em casos de atraso na entrega da declaração, riscos de se cair na temida malha fina… Tem também os bancos oferecendo antecipação da restituição mediante aceitação de suas gulosas taxas de juros.

Fico imaginando para quê tanto cansaço para cima de nossas cabeças , a começar pelo equívoco de se taxar os salários como se eles fossem uma renda. Fica tudo muito desigual quando se verifica que o valor do trabalho assalariado é proporcionalmente muito mais pagador de tributos do que os ganhos de renda gerados com a aplicação de recursos financeiros.

Também são assustadores os níveis de detalhes e os cruzamentos de dados possíveis em função da integração de fontes do sistema. Tudo isso diante do baixo poder aquisitivo dos salários, da obrigatoriedade de fazer a declaração para quem tem receita anual líquida acima de R$28.559,70 e, é claro, se a pessoa não fizer parte dos milhões de desempregados ou dos sobreviventes da economia informal.

O contraste é grande quando comparamos todo esse rigor no controle das formiguinhas enquanto passam manadas de elefantes na forma de propinas do caixa 1 e do caixa 2 dentro e fora do Brasil, numa perfeita relação ganha-ganha entre corruptos e corruptores lastreada com o dinheiro público, aí incluídos os recursos oriundos do imposto de renda. Só se fala com a maior naturalidade em milhões e bilhões de reais como se o arrependimento e uma delação fossem suficientes para anistiar todos os crimes cometidos.

É incrível perceber que órgãos arrecadadores, controladores, auditores de contas públicas e vigilantes do cumprimento das leis não tenham conseguido perceber praticamente nada muito relevante ao longo dos últimos 30 anos. Será que a Receita Federal, o Comitê de Acompanhamento Financeiro (COAF) do Ministério da Fazenda, os Tribunais de Contas e o Ministério Público estão cumprindo as suas missões institucionais ou só agora estão percebendo que existem mais que simples aviões de carreira entre o céu e a terra? Ou será que alguém ainda vai querer recitar o preceito constitucional de que “todos são iguais perante a lei”?

  Comentários
 

O recolhimento do lixo domiciliar no bairro de Santa Tereza é feito durante a noite das segundas, quartas e sextas-feiras. O serviço é feito por uma empreiteira terceirizada pela Superintendência de Limpeza Urbana da Prefeitura.

Como ainda existe um pouco de falta de educação sanitária e também de autodisciplina por parte de alguns moradores e comerciantes do bairro é comum se verificar a presença de lixo nas calçadas que são ali colocados fora dos dias e horas pré-estabelecidos. A incidência acaba sendo maior aos sábados e domingos, devido ao espaço de três dias que separam a coleta da sexta e a da segunda-feira.

Foi nesse contexto que surgiu no bairro um grupo de três pessoas oferecendo aos moradores e comerciantes um dispositivo feito com estrutura metálica para receber o lixo enquanto o caminhão não passa. A abordagem feita aos moradores enfatizava o apoio da Prefeitura Municipal à iniciativa e insistia na instalação do dispositivo na calçada numa altura de um metro acima do piso. Alguns moradores perguntaram se o serviço seria bancado pela Prefeitura e só aí ficaram sabendo que tratava-se de negócio privado, sem vínculo com o poder executivo municipal. O preço ofertado foi de R$130,00 por unidade, nele já estando incluída a instalação na calçada. Também existia a possibilidade de negociar um desconto para pagamento à vista. Outro questionamento que os vendedores ouviram foi sobre a pouca largura das calçadas e os transtornos causados aos pedestres em função do estado de conservação e dos obstáculos nelas existentes, como buracos, grades e entradas de garagens. O que ninguém contestou foi o transtorno causado pelo lixo colocado na calçada, deixado de qualquer maneira e a qualquer hora.

Enquanto o problema continua sem solução e dependendo das pessoas, a paisagem foi modificada em muitas vias do bairro, como mostrado nas fotos deste post. E já tive conhecimento de que já existem alguns poucos moradores verbalizando na fila da padaria que se arrependeram da aquisição feita há menos de um mês.

  Comentários
 

Desenredo

por Luis Borges 24 de abril de 2017   Música na conjuntura

A história oficial registra que o descobrimento do Brasil se deu no dia 22 de abril de 1500, quando as caravelas do navegador português Pedro Álvares Cabral chegaram ao litoral sul do hoje estado da Bahia tendo o local recebido o nome Monte Pascoal. Entre os historiadores existem aqueles que defendem a tese de que a frota de Cabral desviou-se intencionalmente de sua rota original rumo às Índias para chegar ao Brasil. Outros defendem que foi por mero acaso a mudança da rota enquanto alguns poucos afirmam que Portugal já havia descoberto o Brasil antes desta data.

O fato é que aqui estamos, 517 anos depois do ocorrido e registrado, começando como colônia portuguesa até chegar a atual República Federativa do Brasil. Diante de tantos problemas que enfrentamos hoje, como a corrupção institucionalizada, justiça lentíssima, grande concentração de renda nas mãos de poucos, democracia essencialmente representativa… Apesar de tudo prosseguimos em nosso realismo esperançoso acreditando na capacidade de mudança que existe nos brasileiros, ainda que de maneira desigual, mas passível de ser combinada em prol de um bem estar maior e mais digno para todos.

Enquanto vamos jogando paciência e sobrevivendo acumulando forças, que tal cantar (e refletir) a música Desenredo (G.R.E.S – Unidos do Pau Brasil),  composta por Luiz Gonzaga Júnior e Ivan Lins em 1979, aqui na voz de Leila Pinheiro?

Desenredo
Fonte: Letras.mus.br

No dia em que o jovem Cabral chegou por aqui ô ô 
Conforme diversos anúncios na televisão
Havia um coro afinado da tribo tupi
Formado na beira do cais cantando em inglês 
Caminha saltou no navio assoprando
Um apito em free bemol
Atrás vinha o resto empolgado da tripulação 
Usando as tamancas no acerto da marcação 
Tomando garrafas inteiras de vinho escocês

Partiram num porre infernal por dentro das matas ô ô
Ao som de pandeiros, chocalhos e acordeon
Tamoios, Tupis, Tupiniquins, Acarajés ou Carijós, sei lá 
Chegaram e foram formando aquele imenso cordão
Meu Deus, quibão
E então de repente invadiram a avenida central, 
mas que legal!
E meu povo vestido de tanga adentrou ao coral 
Um velho cacique baiano sacou do piston
E deu como aberto em decreto mais um carnaval

A assim a 22 daquele mês de abril
Fundaram a escola de samba
Unidos do Pau Brasil.
  Comentários
 

Lá se vão quase três anos que postei aqui no Observação & Análise minhas observações sobre a ponta do iceberg que começava a mostrar as tenebrosas transações envolvendo os negócios feitos pela Petrobras comprometendo empreiteiros, fornecedores e os políticos partidários. De lá para cá cada dia tem a sua novidade, aumenta a quantidade de pessoas físicas e jurídicas comprometidas em diversos níveis na hierarquia da corrupção e o iceberg já aumentou de tamanho. Como essas piores práticas fazem parte da cultura brasileira e a tecnologia se aprimorou rapidamente nos últimos 30 anos, basta querer cumprir a lei para descobrir o restante do iceberg espalhado pelos 5.562 municípios e nas diversas instâncias dos três poderes. O Estado mostra o seu intenso grau de privatização por parte dos grupos de poder que dele se apropriaram.

Mas a catarse que está sendo vivida nesse momento é brava e intensa, sinalizando que temos uma possibilidade de depuração, de limpeza no sistema político-partidário que tenta representar a nossa sociedade. É claro que quase todo mundo se sente atônito diante das revelações vindas do desespero das delações premiadas da empreiteira que se diz arrependida do seu foco de fraudar licitações públicas. Tão assustador quanto isso é a cara de paisagem dos membros de 16 partidos políticos, os mais vitais entre os 35 registrados, falando que fizeram tudo conforme a lei, que as contas estão aprovadas pela Justiça Eleitoral, porém nunca entrando no mérito do que é Caixa 1, Caixa 2, propina e sobra de campanha para enriquecimento pessoal.

Estamos diante de um ponto de inflexão onde não basta ser espectador e só fazer julgamentos pelas redes sociais, mas permanecendo inertes perante as ações mais concretas das manifestações das ruas e demais organizações da sociedade civil. Podemos até não ter clareza de tudo o que se quer e se deseja para essa virada da história quando a paciência histórica começa a se esgotar, mas o que não se quer e nem se aceita vai ficando bem mais claro para boa parte da sociedade que se diz civilizada. De novo, as coisas continuam dependendo de nós, de nossas atitudes perante a participação na política e das novas lideranças que vão emergir das lutas. A hora é do ponto de inflexão rumo a um bem estar social sem o jugo das castas que abusam de nossa inteligência como se todas as restrições sofridas hoje fossem facilmente suportáveis e inerentes ao capitalismo sem riscos. Consente quem cala diante da lentidão do Poder Judiciário e da complacente legislação penal para os crimes eleitorais. Já não dá mais para segurar diante de tantas evidências objetivas. Dá até para lembrar de Tiradentes e do Quinto do Ouro levado para Portugal, que estimulou o levante da Inconfidência Mineira na segunda metade do século XVIII.

  Comentários
 

Vale a leitura

por Luis Borges 20 de abril de 2017   Vale a leitura

Muda-te a ti mesmo

Às vezes nos defrontamos com situações em que um amigo, um colega de trabalho, um parente estão enfrentando problemas na vida pessoal ou profissional. Num primeiro impulso muita gente assume o problema do outro e já começa a ditar soluções, na expectativa de que tudo será feito conforme as recomendações dadas. Se isso não acontece, logo vem a frustração por não ter sido ouvido. Mas, como assim se a pessoa nem pediu ajuda? É o que aborda Paula Abreu no artigo Isso não é da sua conta.

“o que vale é começar a tomar consciência quando dentro de você acontecer esse impulso, esse movimento, essa dinâmica. Assim, da próxima vez que pegar seu ego no pulo, querendo ‘ajudar” alguém a mudar, pergunte-se: “Eu mesmo, aqui do alto da minha sabedoria sobre “o que é melhor para o outro”, já fiz tudo que poderia fazer para modificar os incômodos da minha vida? (Talvez, inclusive, começando pela vontade irresistível de mudar o outro?!)

Caso a resposta seja não, abrace esta missão. Se ama essa pessoa a quem gostaria de ajudar, mude a si mesmo, torne-se mais paciente, compassivo, generoso. Assim, também se tornará a pessoa adequada para ajudar quem tanto ama”.

Reflexões materialistas sobre a morte

Nem todas as pessoas gostam de falar e conversar sobre a morte, embora esteja aumentando gradativamente o número de interessados no assunto. Uma situação desafiante é quando uma criança pequena pergunta aos pais sobre a morte. As reações podem ser diversas, indo desde fugir do assunto, mentir fantasiosamente ou mesmo falar a verdade. Materialistas, espiritualistas, cristãos, agnósticos …, cada qual no seu qual possui uma explicação e um entendimento sobre a morte. No artigo Reflexões materialistas sobre a morte, e o que vem depois dela, Denis Burgierman mostra a sua visão. Para ele:

“não é preciso acreditar em espíritos para crer que a vida segue após a morte – basta compreender biologia e geologia. A matéria de quem morre converte-se em terra – em Terra – e segue existindo para sempre, de ser em ser, como parte da consciência do Universo. Não é incrível?”

Como combater a corrupção?

Desde o início dos trabalhos da força tarefa do Ministério Público e da Polícia Federal na Operação Lava Jato em 17/03/2014 – portanto há pouco mais de 3 anos – a palavra corrupção está em total e absoluta evidência. O escândalo da Petrobras está mostrando como agem corruptos e corruptores perante os negócios e os recursos do estado brasileiro. A corrupção é vista como algo inerente à cultura brasileira onde se destacam os políticos partidários, a iniciativa privada a conivência e a omissão diante de um jogo jogado com muita desenvoltura pela turma da banda podre. Mas como combater a corrupção e modificar a cultura que a privilegia? Esse é o tema deste artigo de Gesner Oliveira publicado em seu próprio blog.

“corrupção pode sair caro, se a norma for para valer. A empresa pode ser responsabilizada por atos de corrupção praticada por funcionários e fornecedores, independentemente da comprovação de culpa; e o valor das multas chega a 20% do faturamento bruto anual. Mas não basta conhecer a lei. É preciso coloca-la em prática e não só pela grandes empresas”.

  Comentários
 

Curtas e curtinhas

por Luis Borges 17 de abril de 2017   Curtas e curtinhas

Menor poder aquisitivo dos salários

Um levantamento feito pelo Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos) apontou perda média de 0,52% no salário dos trabalhadores em 2016 nos acordos coletivos feitos, depois de descontada a inflação. O estudo analisou 714 acordos e mostrou que em 36,7% dos casos o reajuste ficou abaixo da inflação medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor – INPC do IBGE, sendo que em 2015 esse percentual foi de 18,7%. Já 44% foram reajustados pelo índice da inflação e apenas 18,9% ficaram infimamente acima do INPC. Outro dado importante é que 29,6% dos reajustes foram pagos em duas ou mais parcelas contra 13,7% em 2015. Vamos ver como ficarão as negociações salariais em 2017 com a redução da taxa de juros básicos, queda mais acentuada da inflação, pequeno crescimento do Produto Interno Bruto e número de desempregados chegando a 14 milhões de pessoas.

A agonia dos Correios

De uns tempos para cá a ECT (Empresa de Correios e Telégrafos) tem sido alvo de muitas reclamações devido ao atraso nas entregas de correspondências e também de encomendas. Aliás, é bom lembrar que cartas e telegramas estão em absoluto declínio e que os Correios não têm logística suficiente para que seus serviços de encomendas consigam competir com as concorrentes empresas aéreas, que priorizam as suas próprias cargas. O prejuízo acumulado pela empresa nos últimos 2 anos foi de R$4 bilhões, fora a quebra do seu fundo de pensão Postalis que foi solapado e está tentando se recupera num plano com horizonte de 8 anos de contribuição adicional dos empregados participantes.

O Governo Federal não tem recursos para injetar na empresa e sinaliza sua privatização enquanto apenas 5,5 mil dos seus pouco mais de 100 mil empregados aderiram ao plano de demissão incentivado. Como sempre estão nas causas fundamentais dos problemas a ingerência político-partidária, a má gestão e a corrupção. Basta lembrar que o mensalão veio à tona a partir da CPI dos Correios, em maio de 2005

Reforma trabalhista

O Presidente da Comissão da Câmara dos Deputados que analisa a proposta de Reforma Trabalhista enviada pelo Poder Executivo Federal marcou a votação do parecer do relator para a próxima quarta, 19/4. Entre as medidas propostas estão a jornada de trabalho de 48 horas semanais, com o máximo de 12 horas de trabalho por dia; o fim da contribuição sindical, para o desespero dos sindicatos, federações, confederações de empregados e patrões bem como a prevalência do que for negociado em acordos sobre o que a legislação estabelece. Será que a mobilização dos interessados vai aumentar ou essa reforma vai ser aprovada rapidamente, como aconteceu no caso da terceirização de todas as atividades na Câmara dos Deputados?

Voos de BH para Brasília

Três empresas aéreas colocam à disposição de seus clientes 10 horários de voos de Belo Horizonte para Brasília, de segunda a sexta-feira. O primeiro voo sai do aeroporto de Confins às 07h30 e existem mais 4 horários na parte da manhã. À noite o primeiro voo sai às 18h30 e o quinto e último voo sai às 21h35min. De Brasília para Belo Horizonte também existem 10 horários à disposição dos clientes. Uma passagem de ida e volta tem sido facilmente encontrada na faixa de preços entre R$800 a R$1.500, pagáveis em parcelas pelo cartão de crédito em função da quantidade de dias que antecedem a viagem. Se ainda assim não for possível encontrar uma ou duas passagens disponíveis, o jeito é tirar o dinheiro do bolso para fretar um jatinho que tenha plano de voo rapidamente aprovado pelas autoridades aéreas. Planejar é sempre fundamental apesar da gravidade, urgência e tendência de cada necessidade e com a devida transparência se o serviço for público conforme determina a Constituição Brasileira .

  Comentários