O efeito borboleta

por Convidado 6 de junho de 2017   Convidado

* por Sérgio Marchetti

Dia desses, assisti ao filme The Butterfly Effect (O Efeito Borboleta), de 2004, e, inspirado nele, estive a questionar – como diriam o lusitanos – que, se pudéssemos voltar no tempo, o que faríamos de diferente? É bom explicar que, na trama do filme, um jovem, com base em suas memórias, desenvolve a capacidade sobrenatural de fazer pequenas alterações no seu passado que determinam novos rumos no decurso de sua vida.

Pensando racionalmente, se tivéssemos o dom de voltar ao passado o mundo provavelmente já teria acabado. Seria uma eterna tentativa de refazer os “malfeitos” e, pelo que creio, não sairíamos do lugar. Na “Pátria amada” voltaríamos 500 anos para recomeçar a nossa história. “Começaríamos tudo outra vez se preciso fosse…” (cantou Gonzaguinha), mas não evitaríamos o “Efeito Borboleta”.

Mas o que significa O “Efeito Borboleta”? Trata-se do princípio que afirma que uma pequena alteração ou mudança no início de um evento, no decorrer desse processo, transforma-se em consequências desproporcionais e imprevisíveis. O que é também uma explicação simplificada do estudioso americano, Edward Lorenz, sobre o que seria a Teoria do Caos. O estudo revela, em princípio, que fatores irrelevantes podem ser responsáveis por grandes alterações num processo qualquer. Lorenz dizia que o bater de asas de uma borboleta no Brasil poderia desencadear uma sequência de eventos meteorológicos imprevisíveis que provocariam, por exemplo, um tornado nos Estados Unidos.

Deixando o experimento de lado, vamos tentar entender o caos. No último ano ouvimos e lemos, dia após dia, evidentemente sem conhecer nenhuma teoria, que a política brasileira está vivendo o caos. Então vamos entender o que é o caos para nos situarmos. Segundo o dicionário online de português, significa:

confusão geral dos elementos da matéria, antes da suposta criação do universo, do aparecimento dos seres, da realidade ou da natureza. No sentido figurado: estado de completa desordem, confusão de ideias, amontoado de coisas que se misturam, desorganização mental ou espacial.

Diante das definições acima e de outras existentes concluo que estamos além do caos. Nossa desordem extrapolou as fronteiras do absurdo. De fato, está comprovado o poder criativo do brasileiro. Infringimos os artigos mais severos do caos e criamos uma história surreal escrita com a tinta da vergonha. Nosso desgoverno compôs um episódio mais surrealista do que escritores renomados como André Breton, Murilo Mendes, Mennotti Del Pichia. Nossos governantes editaram um drama para vivermos no presente e plantaram um futuro cuja colheita pode ser uma tragédia shakespeariana. E, ainda na seara literária, assistimos a cenas quixotescas de personagens que, não tendo mais o filtro do pudor, mentem descaradamente e narram, em sua epopeia, as vitórias contra moinhos de vento e outros inimigos; todos frutos de mentes insanas.

O caos leva a uma fuga de brasileiros para outras terras. Já vivemos isso antes. Os motivos eram outros, mas a vontade de partir era a mesma. Nossos campos já não são tão lindos, nem nossos bosques têm mais flores, nosso seio tem menos amores e os filhos já fogem à luta. Que pena!

Mas enquanto o sol da liberdade, em raios fúlgidos, brilhar no céu da pátria, deve haver a esperança de que uma borboleta bata as asas em algum lugar deste planeta e que cause um tornado que destrua todas as falcatruas existentes neste Brasil.

* Sérgio Marchetti é educador, palestrante e professor. Possui licenciatura em Letras, é pós-graduado em Educação Tecnológica e em Administração de Recursos Humanos. Atua em cursos de MBA e Pós-Graduação na Fundação Dom Cabral, B.I. International e Rehagro. Realiza treinamentos para empresas de grande porte no Brasil e no exterior. www.sergiomarchetti.com.br.

  Comentários
 

Credo

por Luis Borges 4 de junho de 2017   Música na conjuntura

Neste 4 de junho a história registra os 40 anos da tentativa de realização do III ENE – Encontro Nacional de Estudantes – em 1977 no Diretório Acadêmico da Faculdade de Medicina da UFMG. Naquele ano os estudantes universitários de diversos estados do país eram protagonistas da luta política contra a Ditadura Militar e pacificamente, mas corajosos e organizados, tinham como objetivo a reconstrução da UNE (União Nacional dos Estudantes). O governo militar proibiu a realização do encontro, mas os estudantes não acataram a proibição e mantiveram a sua realização. A resposta do regime ditatorial foi dada através de uma brutal repressão aos estudantes nas estradas de acesso à Belo Horizonte e nas ruas da cidade. E culminou na invasão da Faculdade de Medicina no Campus Saúde da UFMG, na prisão de 440 estudantes e posterior indiciamento de 56 deles pela Lei de Segurança Nacional. Este post traz outros detalhes.

Durante o mês alguns eventos vão relembrar este acontecimento. Segundo os organizadores, a música Credo, a primeira do álbum “Clube da Esquina II”, de Milton Nascimento, e lançado em 1978, foi inspirada pelos acontecimentos que marcaram o movimento estudantil nessa época. A melodia é de autoria de Milton Nascimento, a letra é de Fernando Brant e a música pode ser ouvida aqui, na voz do próprio Milton Nascimento.

Credo
Fonte: Letras.mus.br

Caminhando pela noite de nossa cidade
Acendendo a esperança e apagando a escuridão
Vamos, caminhando pelas ruas de nossa cidade
Viver derramando a juventude pelos corações
Tenha fé no nosso povo que ele resiste
Tenha fé no nosso povo que ele insiste
E acordar novo, forte, alegre, cheio de paixão

Vamos, caminhando de mãos dadas com a alma nova
Viver semeando a liberdade em cada coração
Tenha fé no nosso povo que ele acorda
Tenha fé no nosso povo que ele assusta

Caminhando e vivendo com a alma aberta
Aquecidos pelo sol que vem depois do temporal
Vamos, companheiros pelas ruas de nossa cidade
Cantar semeando um sonho que vai ter de ser real
Caminhemos pela noite com a esperança
Caminhemos pela noite com a juventude.
  Comentários
 

Faz um bom tempo que a palavra crise está presente em nosso cotidiano. A incapacidade de encontrar uma saída política resolver o problema central apenas contamina e realimenta a crise econômica e a social. Mas os mega escândalos que vem sendo apresentados à população brasileira e ao mundo globalizado mostram como a corrupção sistêmica de décadas unificou políticos partidários, governantes, servidores públicos coniventes ou omissos e empresários. Mas por que os mais diversos e variados órgãos de controle existentes não perceberam quase nada disso, se controlar faz parte da missão, da obrigação de cada um deles? Será que é porque o foco deles esta em marcar com muito rigor e pressão apenas as pessoas físicas assalariadas cujos impostos são retidos no ato do recebimento dos salários como faz fervorosamente a Receita Federal?

Nesse sentido tem sido deixado de lado um dos fundamentos da gestão quando diz que “quem não controla não gerencia”. É claro que gerenciar não é só controlar, mas sem o controle perde-se o domínio da função gerencial. O mesmo acontece com quem não mede as variáveis do seu processo de trabalho e os resultados a que levam. Por isso é inadmissível aceitar que um representante do povo instalado na estrutura do Estado em seus três poderes venha dizer que não sabia, que não conhecia o que acontecia ao mesmo tempo em que não consegue explicar coisa com coisa apesar de tantas evidências objetivas, inclusive suas alianças estratégicas com grandes grupos empresariais e associações que os representam.

Depois que aconteceu o acontecido não é exagerado afirmar que os órgãos de controle falharam e faliram junto com o sistema político partidário em vigor, como se nada de mais grave estivesse acontecendo. Já no mundo da pessoa física, do cidadão comum, o rigor da lei é absoluto e a sua aplicação é feita na plenitude. Basta observar o que sofre uma pessoa física ao deixar de declarar R$1.000,00 que fazem parte de sua renda quando entrega a declaração anual à Receita Federal. As penas imediatas são a malha fina, devassando a vida fiscal, acompanhada de juros e multa sobre o recolhimento do imposto relativo à parte omitida. Para a Receita Federal é como se fosse caixa 2, tão usado por muitas pessoas jurídicas. Contrastam com essa situação os bilhões de reais que transitam invisíveis entre tantas e poderosas partes interessadas, sem nenhum sistema de controle gritar alto ou baixo, no Coaf (Conselho de Controle de Atividades Financeiras) do Ministério da Fazenda, Banco Central, Receita Federal, Tribunais de Contas, Justiça Eleitoral, Agências Reguladoras, CVM (Comissão de Valores Mobiliários)… Fica até parecendo que são superestruturas fazendo cara de paisagem para não mexer no que deveria ser mexido.

Agora que tudo foi arrombado vozes se levantam defendendo a urgência do aperfeiçoamento e da utilização plena de um efetivo sistema de controle, sem sombreamentos, e com a implementação de todas as consequências previstas para quem não cumprir as regras do jogo.

  Comentários
 

Há três anos mostramos aqui no Observação & Análise uma cerejeira em flores no quintal de uma casa na região da Savoie, no Sudeste da França. Agora surgiu a oportunidade de registrar a beleza das cerejas dessa mesma árvore nesse final de primavera francesa.

Foto: Morgana Tournier

Valoriza-se a marcante presença da “cereja do bolo”, mas é bom lembrar também que esta pequena fruta avermelhada e de forma arredondada tem sabor doce, polpa macia e suculenta. É típica de regiões mais frias e rica em proteínas, cálcio, ferro, vitaminas A, B e C, além de ter propriedades que ajudam a combater inflamações e dores. É usada na fabricação de conservas, compotas e bebidas licorosas.

Foto: Morgana Tournier

Com as fotografias deste post quero evidenciar que de vez em quando, ao longo do dia ou da semana, a observação e a contemplação de algo belo que ainda persiste na natureza pode nos fazer bem. Afinal de contas já basta a dureza de tanta coisa que temos que enfrentar para encarar essa conjuntura em que a estratégia é de sobrevivência e muitas pessoas que nos cercam só nos contaminam com a repetição de seus assuntos cheios de pessimismo. Isso apenas se soma à postura arrogante de quem pensa que é proprietário da verdade única enquanto a civilização é deixada de lado. Por isso é importante contemplar a beleza do que nos cerca.

Foto: Morgana Tournier

  Comentário
 

Vale a leitura

por Luis Borges 27 de maio de 2017   Vale a leitura

Ninguém está imune à depressão

Quem vê um padre da Igreja Católica exercendo suas diversas atividades ao longo de uma semana nem sempre imagina que ele pode ter algum problema mais grave em sua vida cotidiana. Celebrar uma ou mais missas todos os dias, que exigem um mínimo de preparação, fazer suas orações e leituras individuais, realizar casamentos, batizados, confissões, unção dos enfermos e atividades pastorais na comunidade, ministrar aulas, dirigir escolas… fazem parte de uma agenda com hora marcada para acontecer. Mas como será que eles, que não são infalíveis, enfrentam os seus problemas emocionais, de saúde, financeiros ou políticos em suas congregações religiosas e nas diversas instâncias da Igreja Católica Apostólica Romana? De vez em quando surgem notícias dando conta de que alguma coisa aconteceu fora do esperado, inclusive um suicídio. É o que aborda a BBC Brasil em seu artigo Depressão no altar: quando padres e sacerdotes precisam de ajuda.

“O grau de exigência da Igreja é muito grande. Espera-se que o padre seja, no mínimo, modelo de virtude e santidade”, afirma o psicólogo William Pereira, autor do livro Sofrimento Psíquico dos Presbíteros (editora Vozes). Qualquer deslize, por menor que seja, vira alvo de crítica e julgamento. Por medo, culpa ou vergonha, muitos preferem se matar a pedir ajuda”, diz”.

Super ricos são os que pagam menos impostos

A concentração de renda nas mãos de poucos brasileiros é uma das características que mais chamam a atenção sobre a desigualdade que persiste no país. Várias são as maneiras de demonstrar isto através de fatos e dados, mas um bom exemplo pode ser mostrado pela cobrança do Imposto de Renda. Os números mostram que proporcionalmente quem ganha mais paga menos. É o que mostra Mariana Carneiro em seu artigo Imposto efetivo pago por super rico é menor que o de rico, diz Receita, publicado pela Folha.

“Super ricos são aqueles que tiveram, em 2015, renda média mensal tributável de R$ 135 mil, segundo dados apresentados pelo secretário da Receita Federal, Jorge Rachid. Eles representam apenas 0,1% daqueles que declararam o IR de 2015 e o Imposto de Renda devido representou 9,1% de sua renda bruta. Já os ricos, aqueles com renda tributável média de R$ 34 mil -e que são 0,9% do total de contribuintes- pagaram o equivalente a 12,4% de sua renda bruta”.

Você está precisando de um treinador?

Muitas vezes você chega a um ponto em que reconhece estar necessitando de ajuda para solucionar um problema profissional ou até mesmo pessoal. Por outro lado começa a procurar essa ajuda, mas não quer que ela seja demorada ou que se eternize. A expectativa é que tudo se resolva num espaço mais curto de tempo, 8 a 12 sessões em no máximo 4 meses, para que a vida prossiga em busca dos resultados esperados. Esse profissional é o Coach (Treinador) que está presente no mercado fazendo seu trabalho de coaching (treinamento) de uma pessoa (coachee). Encontrar um profissional de qualidade nem sempre é tarefa tão fácil, pois a proliferação de pessoas sem perfil adequado e com formação deficiente atuando no setor é uma realidade. Conheça mais sobre o tema no artigo Coaching ajuda a alcançar metas, mas é preciso ter cuidado com falsos gurus, escrito por Carolina Muniz e publicado pela Folha de S. Paulo.

  Comentários
 

Um grupo de colegas de trabalho fez uma festa para os aniversariantes do mês no final do expediente da ultima sexta-feira. O encontro demorou para começar, já que muitas pessoas estavam “agarradas” em seus setores. Quando finalmente conseguiam chegar ao local combinado muitas diziam que “o bicho tá pegando”.

Até chegar a hora do “Parabéns” as conversas se avolumavam e também ficavam mais altas, principalmente com a rapidez da maioria para ingerir as cervejas e algumas doses de destilados. O soro da verdade acabou contribuindo para que muitos falassem um ou dois tons mais alto.

O principal assunto era a pesquisa de clima organizacional feita nos diversos setores da empresa no início da semana. Eram 50 questões, respondidas por meio eletrônico, mas as mais comentadas foram as duas últimas. Uma tentava saber quanto tempo o empregado pensava que ainda continuaria trabalhando na empresa – até 3 anos, até 5 anos, até 10 anos ou até 15 anos. A outra perguntava se o empregado acreditava que os resultados daquela pesquisa seriam usados na solução dos principais problemas abordados. E só dava duas opções: sim ou não. Não havia meio termo, não dava para subir no muro.

Para essa segunda questão, mesmo com os temores de serem identificados apesar da garantia de anonimato dada pela pesquisa, a maioria dos presentes disse que respondeu “não”. Quanto ao tempo de permanência na empresa a maioria dizia que optou por 15 anos, até mesmo para não frustrar a expectativa de alguns diretores que pensam que tudo é maravilhoso na empresa. Mas, no papo com os colegas, não esconderam o temor pela terceirização de sua função num tempo relativamente próximo. Ponderaram, também, que esse tempo não será suficiente para a suas aposentadorias se forem aprovados os parâmetros propostos no presente momento para a Reforma da Previdência Social.

Foi aí que um participante já mais exaltado afirmou que, a julgar pelo o que está acontecendo em seu setor de trabalho, dificilmente vai aguentar passar mais 15 anos naquele ambiente. Para ele falta gestão pela liderança e sobra autoritarismo. Também faltam foco, capacidade de ver as coisas por outros ângulos e sobra favoritismo do chefe em relação a alguns colegas, que escolhem o que querem fazer mas sem se preocupar com prazos. Aqui dá até para imaginar como que os empregados mais competentes e produtivos devem estar sendo punidos em função da competência e do comprometimento. Aí o que sobra é o desânimo e o desestimulo dessas pessoas e, é claro, tudo isso vai ajudar a impactar a motivação que vem de dentro de cada um.

Infelizmente a realidade nos mostra, com muita frequência, o pouco interesse e a baixa percepção que muitos gerentes ou chefes têm de seus ambientes de trabalho, nos quais as pessoas são fundamentais. Mas daí até alguém perceber e reconhecer que o clima organizacional está ruim vai uma longa distância, e a maior parte das pessoas acaba pagando o pato de uma forma ou de outra.

  Comentários
 

Se a tão anunciada delação premiada da arrependida empreiteira Norberto Odebrecht prometia trazer consigo o fim do mundo, a do grupo empresarial JBS, que estourou como bomba nos últimos dias, poderia ter a pretensão de nos fazer sentir como se já estivéssemos depois do fim do mundo. Mas, que nada, foi apenas mais uma amostra de como a corrupção no Brasil se assemelha a uma septicemia tomando conta do corpo humano.

Para enfrentar tudo isso devemos manter a nossa resiliência em alto nível e com o realismo esperançoso de quem acredita que ninguém enganará a todo mundo o tempo todo. Ainda que o horizonte possa parecer momentaneamente cheio de névoa, não dá para desanimar da luta por uma sociedade bem mais justa, transparente e participativa.

Por isso lembro aqui versos do cantor e compositor Luiz Gonzaga Júnior em sua música Palavras dizendo que

“Desde quando sorrir é ser feliz?

Cantar nunca foi só de alegria

Com tempo ruim

Todo mundo também dá bom dia!”.

Já que palavras como corrupção, ladrão, delação poder estão em profunda evidência, que tal ouvir e cantar a musica É ladrão que não acaba mais do cantor e compositor pernambucano Bezerra da Silva (1927 – 2005)?

É ladrão que não acaba mais
Fonte: Letras.mus.br

Quando Cabral aqui chegou
E semeou sua semente
Naturalmente começou
A lapidação do ambiente...

Roubaram o ouro
Roubaram o pau
Prá ficar legal
Ainda tiraram o couro
Do povo
Desta terra original...

E só deixaram
A má semente
Presente de Grego
Que logo se proliferou
E originou a nossa gente...

É ladrão que não acaba mais
Tem ladrão que não acaba mais
Você vê ladrão
Quando olha prá frente
Você vê ladrão
Quando olha prá trás...(2x)

Hiiiiiii!
A terra boa
Mas o povo
Continua escravizado
Os direitos são os mesmos
Desde os séculos passados
O Marajá
Ele só anda engravatado
Não trabalha, não faz nada
Mas tá sempre
Endinheirado...

E se entrar no supermercado
Você é roubado!
E se andar despreocupado
Você é roubado!
E se pegar o bonde errado
Você é roubado!
E também se votar prá deputado
Você é roubado!
Certo!

Tem sempre 171 armando fria
Tem ladrão lá no congresso
Na quitanda e padaria
Ladrão que rouba de noite
Ladrão que rouba de dia
Dentro da delegacia
Ninguém entendia
A maior confusão
O doutor delegado
Grampeou todo mundo
Porque o ladrão
Roubou outro ladrão

É ladrão que não acaba mais
Tem ladrão que não acaba mais
Você vê ladrão
Quando olha prá frente
Você vê ladrão
Quando olha prá trás...(2x)

Quando Cabral aqui chegou
E semeou sua semente
Naturalmente começou
A lapidação do ambiente...

Roubaram o ouro
Roubaram o pau
Prá ficar legal
Ainda tiraram o couro
Do povo
Desta terra original...

E só deixaram
A má semente
Presente de Grego
Que logo se proliferou
E originou a nossa gente...

É ladrão que não acaba mais
Tem ladrão que não acaba mais
Você vê ladrão
Quando olha prá frente
Você vê ladrão
Quando olha prá trás...(4x)
  Comentários