O mês de julho traz consigo a data limite para que as casas legislativas da União Federal, estados e municípios aprovem a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) contendo os parâmetros que regerão a elaboração dos orçamentos do próximo ano no âmbito de suas jurisdições. Só após essa aprovação é que pode se iniciar o recesso parlamentar, também previsto para o mês.

O desafio para os meses subsequentes é a elaboração de uma peça orçamentária a partir de premissas realistas que nortearão a previsão de arrecadação de tributos, receitas de capital e de gastos com a prestação de serviços públicos, realização de investimentos…

A gestão estratégica do Orçamento é essencial para o cumprimento das exigências da Lei de Responsabilidade Fiscal, que determina a análise dos resultados alcançados na implementação a cada dois meses bem como as correções de rumo que se fizerem necessárias. Ainda assim, o orçamento não é plenamente cumprido em várias instâncias do poder público e, em muitos casos, é considerado uma peça de ficção para atender apenas à exigência legal.

Um exemplo disso pode ser visto no orçamento da Prefeitura de Belo Horizonte para 2017, que previa arrecadar R$11,8 bilhões e que neste momento dá sinais de que dificilmente passará dos R$9,9 bilhões até o final do ano. A realidade começou a bater mais forte e fez com que a proposta de LDO para 2018 preveja uma arrecadação de R$10 bilhões. Na União Federal a frustração de receitas é visível e, como muitos gastos obrigatórios só crescem, o jeito tem sido contingenciar os orçamentos como os da saúde, da educação, da Polícia Federal tentando suspender a emissão de passaportes e da Polícia Rodoviária Federal reduzindo ainda mais a sua já reduzida prestação de serviços.

Mas efetivamente que premissas estão sendo consideradas para os orçamentos de 2018 diante das atuais condições da conjuntura do país? A crise política continua plena, o mês de junho teve deflação de 0,23% – que também preocupa perante a necessidade de retomada da economia enquanto a crise social prossegue extremamente aguda.

Com as informações realistas que temos nesse momento e fugindo da crença em milagres será que poderemos trabalhar com a premissa de crescimento econômico entre 2% e 2,5% no próximo ano? A taxa básica de juros do Banco Central poderá ficar em 8,5% ao ano enquanto o dólar poderia gravitar em torno de R$3,30?

Que níveis de aumentos salariais para os servidores públicos estarão nas premissas ou tudo ficará na base zero?

Na verdade esse é mais um momento para se discutir as prioridades para a alocação dos sempre insuficientes recursos públicos na cultura da gastança e do direito adquirido sem se preocupar com a sustentabilidade de todo o processo.

Agora, se no plano macro do Estado as coisas estão assim, o que pensar de premissas para os nossos orçamentos individuais ou familiares para o próximo ano? Será que manteremos os nossos atuais níveis de renda ou teremos que fazer mais adequações para continuar sobrevivendo num ano em que estão previstas eleições de Presidente a deputado estadual? Haja incertezas, mas elas precisam ser enfrentadas ainda que tragam tanta dor.

  Comentários
 
Ainda que nada inesperado
Estivesse sendo esperado
Não é que de repente
Tudo aconteceu num instante
Fazendo tudo rodar
Para deixar o corpo
Marcado pelos limites físicos
A denunciar tantas restrições.

Oh! Quanta resiliência se faz necessária
Para manter tanta esperança
De um dia voltar a caminhar
Pelo espaço físico
Que apenas povoa a imaginação.

Se a condição funcional
Colide com a expectativa
Que logo a percepção anula
Um novo acalanto ressurge
Como que a dizer
Que depois que aconteceu o acontecido
O que mais importa
É não estar vencido
Nas bandas do mundo
Em que ainda se faz presente
A complexa arte da solidariedade
Ajudando a recompor
O que não se esperava
Ser decomposto um dia.
  Comentários
 

Está fazendo um ano que postei aqui neste blog uma pensata com o título de Saúde: tecnologia x qualidade no atendimento. Como de vez em quando é bom dar uma olhada para trás visando verificar a melhoria ou a piora de um determinado aspecto ou indicador de desempenho, tomei a iniciativa de conversar com algumas pessoas que foram ouvidas naquela ocasião. Felizmente elas continuam bem vivas e gerenciando a própria saúde apesar dos preços cobrados pelos planos em suas diversas modalidades. Chamou muito a minha atenção o fato delas terem repetido recentemente os exames do ano passado no mesmo laboratório de serviços de apoio ao diagnóstico cujo atendimento deixou péssima impressão naquela ocasião. Aliás, juntaram-se a eles alguns exames que foram solicitados pela primeira vez agora. Tentei entender a razão para se manterem fiéis ao antigo fornecedor, sendo que existem outros laboratórios no mercado prestando o mesmo serviço. As pessoas me disseram que seguiram a orientação de seus médicos, que alegaram ser os profissionais daquele laboratório de sua plena confiança para realizar os exames solicitados.

Então perguntei se eles perceberam alguma melhora no atendimento ao comparar com os serviços prestados no ano passado. Foi praticamente consenso que o mau atendimento continua o mesmo e que até aumentou o tempo de espera, apesar da alta tecnologia utilizada na realização de tantos e variados exames, notadamente os de imagens. Houve um caso específico em que a pessoa tinha um exame agendado para as 9h40 que só se iniciou ao meio-dia de uma terça-feira. Após muitos questionamentos sobre as causas da demora uma atendente balbuciou que algumas pessoas do grupo faltaram ao trabalho e outras chegaram atrasadas.

Agora após passar novamente pelos mesmos e cada vez mais demorados tipos de transtornos, finalmente algumas dessas pessoas não pretendem mais voltar ao laboratório indicado pelo médico e estão dispostas a encarar o profissional para lhe dizer que não voltarão mais àquela empresa de grande porte. Sugeri a elas que lembrem a seus médicos que todo cliente espera que seu fornecedor tenha alto nível de qualidade, preço justo e excelência no atendimento e que notadamente essa última dimensão está longe de acontecer. Vale lembrar, também, que não dá para o consumidor  abrir mão de seus direitos nas relações de consumo em pleno regime capitalista que se diz pautado pela competitividade entre os concorrentes na prestação de serviços a que se propõem no mercado que tem seu risco.

  Comentários
 

O feeling merece atenção

por Convidado 11 de julho de 2017   Convidado

* por Sérgio Marchetti

Outro dia decidi caminhar pela rua para espairecer. De repente fui atraído pelo cheiro de café. Não era igual ao da torrefação de minha antiga rua no interior, mas foi o suficiente para me fazer tomar o rumo de uma dessas cafeterias agradáveis que temos em nossa cidade.

Ao me sentar, fui logo reconhecido por um amigo de infância que não via há tempos.  Senti que o universo conspirava para que eu revivesse um pouco do passado.

– Que coincidência! Estava justamente pensando na nossa rua.

– Foi minha energia que o atraiu – disse-me.

O “papo” rendeu. Voltamos ao passado. Recordações de nossos vizinhos e dos antigos amigos afloraram em nossos corações. Ele me confessou a paixão de criança que permaneceu até sua adolescência. Era perdidamente apaixonado por uma de nossas vizinhas. Não sem razão, pois a menina era lindíssima. Meiga, com um sorriso mágico, cujos olhos sorriam também.

Meu amigo, hoje, achando tudo muito engraçado, disse que, em seu feeling, sempre desconfiou que a menina gostava do meu primo, o Pedro, e era correspondidaE que, naquela época, o fato de pensar assim o consumia. Também me confidenciou que, justamente por essa razão, nunca teve coragem para dizer a ela sobre seu interesse.

– Sabe quando você acha que uma pessoa está muito acima de você? – perguntou.

Respondi que sim e comentei: não pense que é privilégio seu. Até Julio Iglesias já sentiu isso. “Essa covardia do meu amor por ela/ Faz com que a veja igual a uma estrela/ Tão longe, tão longe que ela está/ Que eu espero nunca podê-la alcançar…”

Ele assentiu com a cabeça e com um sorriso sem graça. O que sabia, e me contou, é que nunca o namoro de Camila com Pedro aconteceu oficialmente. E que talvez fosse tudo imaginação dele. Pensou que fora um idiota, um menino que perdeu a oportunidade de namorar sua paixão por não ter tido a coragem de dizer a ela. Eu concordei e ainda confirmei que conhecia vários casos em que as mulheres não tinham nenhum interesse mas que, ao saberem que alguém gostava delas, acabavam cedendo e até se apaixonando.

Mas não foi o que ocorreu com ele. O tempo passou e Camila casou-se com outro rapaz e teve dois filhos. O que para meu amigo de certa forma foi um alívio porque constatou que entre ela e Pedro nunca tinha havido nenhum sentimento.

Porém, conforme me revelou durante nossa conversa, anos depois os dois se encontraram numa sorveteria. Camila sorriu com o mesmo sorriso lindo que o fez se apaixonar por ela. Conversaram muito. Lembraram-se de todos os moradores da rua, deram notícias de alguns amigos comuns e confessaram a saudade que sentiam daqueles tempos quase dourados.

As recordações fizeram os olhos do meu amigo lacrimejarem e as lágrimas escorrerem pela sua face. Mas prosseguiu com a narrativa do encontro. E disse que na saída, ao se despedirem, ele perguntou um pouco sem graça sobre o casamento e os filhos de Camila. Ela respondeu que o marido era muito bom e que tinham dois meninos.

– Que ótimo! E como se chamam? – perguntou o amigo, com um sorriso cheio de dentes.

– O mais velho é o Pedro. O outro tem o mesmo nome do pai.- respondeu Camila, antes de dizer-lhe adeus.

* Sérgio Marchetti é educador, palestrante e professor. Possui licenciatura em Letras, é pós-graduado em Educação Tecnológica e em Administração de Recursos Humanos. Atua em cursos de MBA e Pós-Graduação na Fundação Dom Cabral, B.I. International e Rehagro. Realiza treinamentos para empresas de grande porte no Brasil e no exterior. www.sergiomarchetti.com.br.

  Comentários
 

O que é seu está guardado

por Luis Borges 7 de julho de 2017   Pensata

As coisas estão acontecendo com muita rapidez no cotidiano da crise vivida pelo país. Cada vez mais surpreendendo pela ousadia, apropriação indébita de recursos e pelo descompromisso com a maioria da população denotado pelos agentes do Estado que o dominam. Nada de ética, de atitudes republicanas; é muito discurso enquanto o foco é só se manter no poder, custe o que custar. A obsessão é tanta para manter tudo do jeito que está, sem mexer no que realmente precisa ser mexido, que o autismo faz com que os sinais de descontentamento não sejam efetivamente percebidos e muito menos analisados. Como está crescendo o número de pessoas que acompanham os acontecimentos no país e sofrem na pele os impactos deles, como a corrupção, desemprego aberto, Reforma da Previdência… o pote de mágoa está só aumentando.

O povo ainda não voltou às ruas enquanto o impopular Presidente da República segue sangrando e comprando apoios partidários para se manter no desejado cargo. Imagino que muita gente deve estar se lembrando de um famoso dito popular que diz “o que é seu está guardado”, ou seja, vai ter troco para você e os seus.

Enquanto as ruas não gritam para valer e os políticos partidários não percebem que precisam encontrar soluções para a crise política que eles mesmos criaram, o tempo vai passando e o sofrimento só aumentando. Agora faltam 15 meses para as eleições gerais de 2018, cujas regras precisam ser definidas nos próximos 3 meses. Espero que os 35 partidos políticos e seus partidários, notadamente os que se aliaram em seus projetos de poder nos últimos 30 anos, recebam um duro recado de rejeição vindo das urnas. Aliás, pode ser tanto pelos que comparecerem às urnas buscando varrer do mapa a maior parte dos que exercem mandatos atualmente, quanto pela abstenção nesse modelo em que o voto é obrigatório.

Quem der uma olhada para outros países poderá perceber, por exemplo, o que aconteceu nas recentes eleições francesas que elegeram o Presidente da República e os 577 parlamentares da Assembleia Nacional. Os tradicionais partidos que ocuparam o poder e tiveram maioria parlamentar nos últimos 30 anos foram amplamente derrotados. A vitória coube ao partido centrista República em Marcha criado há apenas um ano. Quem quiser que aprenda com os sinais que vem de outros países, ainda que as realidades políticas, econômicas, sociais e culturais tenham as suas especificidades. Não dá para enganar a todo mundo indefinidamente pelo tempo todo.

  Comentários
 

Curtas e curtinhas

por Luis Borges 5 de julho de 2017   Curtas e curtinhas

A epidemia de transtornos mentais

Esse é o tema da conferência que será feita pela professora Maria Aparecida Affonso Moysés, da Faculdade de Ciências Médicas da Unicamp, no dia 21 de julho às 10h30min na UFMG em auditório a ser definido. A conferência faz parte da programação da 69ª Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC). Segundo a professora e pesquisadora:

“É importante não falarmos em epidemia de transtornos mentais, e sim, em epidemia de diagnóstico de transtornos mentais. A medicalização está diretamente ligada a essa epidemia, porque, nos dias atuais, qualquer problema está sendo diagnosticado como transtorno mental. Sentimentos psíquicos que fazem parte da vida de qualquer pessoa, como os momentos de tristeza, por exemplo, estão sendo diagnosticados como depressão. A quantidade de diagnósticos mostra que há algo estranho nesse campo, a ponto de se pensar que talvez a normalidade tenha sido descartada. Nos Estados Unidos, registros dão conta de que 46% da população sofrem com algum tipo de transtorno mental. É um número absurdo, que nos mostra que há algo errado”.

Recesso no Supremo Tribunal Federal

Já estamos no mês de julho, portanto, período do recesso de meio do ano do Supremo Tribunal Federal, que só voltará às suas atividades em primeiro de agosto. Na sequência já está programado o recesso de 10 dias por ocasião do Natal e Ano novo e as férias do mês de janeiro de 2018. Como se vê, só no período citado, os 11 Ministros do STF tem 20% dos dias do ano livres, sem ter que comparecer ao trabalho. Enquanto isso aproximadamente 100 mil processos se acumulam no STF à espera de julgamento final, sendo que os mais antigos da fila estão lá há 21 anos. Quando alguém critica a lentidão da justiça geralmente o que se vê é nariz torcido, cara de paisagem ou alegação de complexidade nos processos judiciais.

Sinal amarelo na meta de déficit público

Passados 6 meses do ano de 2017 vai ficando cada vez mais claro que o PIB não terá o crescimento imaginado nas premissas do Orçamento Federal. A arrecadação de tributos prossegue em queda, as despesas continuam crescendo e trombando com o teto dos gastos públicos enquanto as receitas extraordinárias não estão se viabilizando. O sinal amarelo começa chamar a atenção para a incapacidade de se atingir a meta de déficit público de R$139 bilhões. Não será surpresa se brevemente a equipe econômica do Governo Federal solicitar ao Congresso Nacional uma alteração na LDO visando passar a meta de déficit para R$170 bilhões ou até mesmo R$200 bilhões. Caso contrário o jeito será o impopular e rejeitado Presidente da República começar a dar suas pedaladas fiscais e aumentar os contingenciamentos de gastos previstos no orçamento. Quem viver verá.

Tudo no caixa do Tesouro Federal

Quando a Polícia Federal anunciou no final de junho a suspensão da emissão de passaportes devido à falta de verbas em seu orçamento a pergunta que todo mundo fez foi sobre o destino que tem a taxa de R$257,25 cobrada pela sua emissão nas condições normais. Isso sem falar que, nos casos considerados emergenciais, a taxa é de R$334,42. Ficou evidente que esses recursos caem direto na conta do Tesouro Nacional, também chamado de “caixão central”. Ou seja, entrar lá é até fácil, o difícil é sair já que a arrecadação como um todo continua caindo.

  Comentários
 

Vale a leitura

por Luis Borges 4 de julho de 2017   Vale a leitura

Quando nada parece capaz de nos surpreender

A sociedade brasileira prossegue polarizada na luta política e seus desgastados líderes não têm conseguido apresentar soluções para a superação de tantos problemas. Mas o que mais cresce mesmo é a quantidade de pessoas que estão descrentes ou que não se sentem representadas pelo que aí está. O passar do tempo vai deixando as pessoas cansadas e também sem energia na medida em que todo dia traz mais agonia na difícil arte de sobreviver. O que precisa acontecer para dar uma sacudida geral diante da inércia quase generalizada da sociedade? O jornalista Ricardo Kotscho apresenta o seu sentimento sobre o assunto no artigo Quando nada parece capaz de nos surpreender publicado no blog Balaio do Kotscho.

“Sabemos todos o que não queremos mais. Mas onde encontrar um projeto nacional, e não apenas um projeto de poder, para colocar no lugar, e líderes capazes de implantá-lo, como aconteceu agora na França e em tantos outros países ao longo da História nos momentos de crise profunda?”

Dinheiro para o negócio próprio

Um dos maiores erros de quem tenta abrir o seu próprio negócio é não conhecer a fundo, em detalhes, qual será o capital a ser investido para colocá-lo de pé e para garantir a sua operação até obter a necessária sustentabilidade. Isso é o que aborda Alberto Ajzental no artigo Vai abrir um negócio? Saiba como calcular investimento e capital inicial , publicado pelo portal UOL.

“Quanto melhor o detalhamento da previsão de capital inicial e quanto mais pesquisas de preços realizarmos, mais próxima à realidade será a previsão. Porem, isto dá mais trabalho. Nas primeiras previsões utilizamos números aproximados para ter uma ordem de grandeza do investimento que servirá de base no cálculo de viabilidade econômico financeira a ser realizado.”

Como combater a falta de tempo?

São comuns as reclamações de pessoas alegando falta de tempo para fazer muitas coisas desejadas. Como é mais fácil falar sobre o resultado indesejável que é gerado, melhor seria pensar nas causas que levam a ele e agir para combatê-las. Uma proposta que pode ajudar nesse sentido foi feita por André Forastieri em seu artigo Você não tem tempo para nada? Te ensino em cinco minutos como resolver isso – e é pra já! .

“Parece difícil viver sem aplicativos de mensagem e redes sociais. Pelo contrário, é muito fácil e você vai se acostumar em alguns dias, porque é absolutamente natural. Artificial é estar o tempo inteiro conectado, o tempo inteiro ansioso que está perdendo algo importante, o tempo todo recebendo um monte de abobrinhas em grupos de WhatsApp, bobagens sobre celebridades ou o escândalo do dia no Facebook etc.”

  Comentários