No meu país

por Luis Borges 20 de novembro de 2017   Música na conjuntura

Faltam 34 dias para o Natal mas sua chegada já tem muitos sinais visíveis nos centros comerciais e na propaganda intensiva em diversas mídias. Celebrar um nascimento especial mobiliza os cristãos, o que acaba trazendo em sua movimentação também muitos não cristãos.

Fico pensando como será para os brasileiros a preparação da árvore de Natal e que expectativas nela serão colocadas. Afinal de contas as percepções que temos encontrado nesses últimos tempos quase nos obrigam a sonhar com dias muito melhores. Sei que as condições continuam bastante adversas, que vale tudo pelo poder – inclusive comprar a permanência nele, que reina muita apatia e muita vontade de deixar tudo pra lá em nome da sobrevivência.  Também acaba sendo obrigatório o convívio com as redes sociais, num ambiente de vigilância, pancadaria e sem que a verdade seja necessariamente um requisito fundamental.

Será que teremos um Advento a nos preparar para 2018, com eleições gerais, ou ficaremos desunidos e polarizados em nome das nossas verdades, enquanto o poder continuará nas mãos de sempre, mas apenas dividido entre poderosos antigos e poderosos novos.

O fato é que minha árvore de Natal balança, mas não sei se terá força suficiente para se somar a outras forças e ajudar a derrubar os problemas. Querer é a primeira condição, mas é preciso organizar o querer de cada um em busca de um grande bem querer. Um acalanto para nos ajudar a ter forças para prosseguir em nossos intentos pode vir da música No meu país, cantada por Zélia Duncan e Xande de Pilares, que também são os autores da letra.

No meu país
Fonte: Letras.mus.br 

No meu país um dia desses tem que chover
Chuva de paz e amor, um dia eu vou ver
O meu país tá precisando se resolver
Se vai olhar pro futuro ou envelhecer

No meu país um dia desses tem que chover
Chuva de paz e amor, tudo pra valer
O meu país tá precisando se resolver
Se vai olhar pro futuro ou envelhecer

Se vai cuidar da criançada ou vai mandar prender
Se vai ser bruto ou mandar flores pra surpreender
Se vai olhar naquele espelho e se reconhecer
Ladeira acima sem ter medo, lindo de morrer

Indo à luta pra vencer
Rindo, lindo de morrer
Hora de querer, hora de acertar
Hora de ser forte pra sobreviver

Igualdade pra sonhar
Quem não quer melhor viver
Hora de querer, hora de acertar
Hora de ser forte pra sobreviver

Quem não quer melhor viver
O povo tá querendo ver
Hora de querer, hora de acertar
Hora de ser forte pra sobreviver

Hora de querer, hora de acertar
Hora de ser forte pra sobreviver
  Comentários
 

E vamos à luta

por Luis Borges 22 de outubro de 2017   Música na conjuntura

A obra do economista, compositor e cantor Luiz Gonzaga Júnior, o Gonzaguinha (1945 – 1991) acaba sempre nos trazendo um alento também em momentos difíceis e incertos como os de agora. Se estamos a menos um ano das próximas eleições gerais e os políticos partidários prosseguem em suas tenebrosas transações em Brasília, há um outro Brasil que resiste, sem estar isento de alguns equívocos, e persiste de maneira difusa rumo às mudanças que se fazem necessárias em nome da sobrevivência da nação.

Se as perspectivas são de alto índice de renovação entre os postulantes, espero que ela ocorra em consonância com o aumento da capacidade das pessoas para separar o que é joio e o que é trigo em eleições de voto obrigatório, coligações partidárias e financiamento público das campanhas e autofinanciamento ilimitado. Se o que importa é não estar vencido, mas é preciso saber com quem caminhar e fazer alianças, que tal ouvir Gonzaguinha em sua música E vamos à luta, lançada em 1980, ainda nos tempos da ditadura militar?

E vamos à luta
Fonte: Letras.mus.br

Eu acredito
É na rapaziada
Que segue em frente
E segura o rojão
Eu ponho fé
É na fé da moçada
Que não foge da fera
E enfrenta o leão
Eu vou à luta
É com essa juventude
Que não corre da raia
À troco de nada
Eu vou no bloco
Dessa mocidade
Que não tá na saudade
E constrói
A manhã desejada...(2x)

Aquele que sabe que é negro
O coro da gente
E segura a batida da vida
O ano inteiro
Aquele que sabe o sufoco
De um jogo tão duro
E apesar dos pesares
Ainda se orgulha
De ser brasileiro
Aquele que sai da batalha
Entra no botequim
Pede uma cerva gelada
E agita na mesa
Uma batucada
Aquele que manda o pagode
E sacode a poeira
Suada da luta
E faz a brincadeira
Pois o resto é besteira
E nós estamos pelaí...

Acredito
É na rapaziada
Que segue em frente
E segura o rojão
Eu ponho fé
É na fé da moçada
Que não foge da fera
E enfrenta o leão
Eu vou à luta
É com essa juventude
Que não corre da raia
À troco de nada
Eu vou no bloco
Dessa mocidade
Que não tá na saudade
E constrói
A manhã desejada...

Aquele que sabe que é negro
O coro da gente
E segura a batida da vida
O ano inteiro
Aquele que sabe o sufoco
De um jogo tão duro
E apesar dos pesares
Ainda se orgulha
De ser brasileiro
Aquele que sai da batalha
Entra no botequim
Pede uma cerva gelada
E agita na mesa logo
Uma batucada
Aquele que manda o pagode
E sacode a poeira
Suada da luta
E faz a brincadeira
Pois o resto é besteira
E nós estamos pelaí
Eu acredito
É na rapaziada!
  Comentários
 

Nesses tempos de crise que se prolonga à espera de uma solução que não vem diante de tantos interesses de grupos, percebo muitas pessoas dizendo que estão cansadas de quase tudo e que já não aguentam mais ir à luta por algo que vá além da sobrevivência imediata.

A falta de perspectiva parece nos empurrar ainda mais para baixo e acaba ajudando a aumentar a anomia, pois está muito difícil enxergar alguém que possa nos representar assim que se encerra um processo eleitoral. Posso concluir que precisamos é de participar mais efetivamente e não simplesmente terceirizar a ação para algum mero representante, mas falta ânimo para encarar algo do tipo. Se a apatia prevalece ela acaba contaminando os mais diversos aspectos de nossas vidas e todos os assuntos que vão surgindo parecem nos causar muita preguiça e rejeição. Mesmo sendo um crítico da polarização entre ser contra ou a favor de alguma ideia, sugestão ou proposição mais estruturada, fico também pensando nos diversos mecanismos de deliberação passíveis de serem utilizados numa sociedade tão dividida e que cada vez mais busca aliviar suas tensões pelas redes sociais a partir de seus próprios sofás.

Além de ter que dar conta de responder a cada uma e a todas as necessidades do dia a dia – inclusive as de trabalho, saúde, segurança, gestão da sustentabilidade individual e familiar – ainda é preciso uma boa dose de tolerância para aguentar as novidades da hora da política partidária, na economia e na criatividade abusiva daqueles que agem focados apenas em se manter no poder, pois para eles está tudo muito bom. E nessa agonia de cada dia até bambear os nervos, para dar continuidade na busca do que precisa ser feito em prol do viver com dignidade, justiça social e paz não está fácil, devo constatar solenemente que isso é o que temos para hoje e amanhã também. Como jamais será possível desistir ainda busco um pouco de acalanto e me reforço cantarolando versos de Geraldo Vandré na música O Plantador.

“Quanto mais eu ando, mais vejo estrada e se eu não caminho, não sou é nada”.

  Comentários
 

Desesperar jamais

por Luis Borges 25 de julho de 2017   Música na conjuntura

De vez em sempre fico pensando sobre como estamos vivendo e sobrevivendo na crise em que o Brasil mergulhou notadamente após a eleição presidencial de 2014 quando o perdedor não aceitou o resultado das urnas eletrônicas. Não tenho dúvidas de que crises sempre existiram ao longo de diferentes momentos da história brasileira, mas é importante verificar como reagimos a elas individualmente ou em grupos sociais.

Perante tanta determinação dos profissionais da política partidária para se manter no poder – inclusive com atos e atitudes que chegam a dar nojo – que esforço suplementar tem sido necessário para mantermos o equilíbrio, a estabilidade emocional, o discernimento e a capacidade de prosseguir ancorados por nossas crenças? É preciso uma grande resiliência para não cair na descrença, na paralisia ou mesmo no desespero diante de situações adversas. Sei que não é fácil segurar essa onda permanentemente enquanto o bicho pega. Também sei que quanto pior, pior mesmo e a sobrevivência exige respostas em todo momento ao longo do dia. O Estado de bem estar social vai se tornando cada vez mais uma miragem enquanto 14 milhões de pessoas estão desempregadas e a transferência de recursos para o mercado financeiro é gigantesca.

É desafiador continuar fleumático enquanto tanta novidade vai sendo noticiada em curto espaço de tempo e longas novelas se instalam sem perspectivas de soluções mais rápidas no horizonte. O que mais se percebe na correlação de forças é o que muitos segmentos da sociedade já não aceitam mais. Mas também é visível a falta que faz uma sociedade mais organizada embora haja tantos discursos enaltecendo a democracia representativa e o funcionamento das chamadas instituições. Se as mudanças não chegam, às vezes até caímos no conformismo pragmático e nos reforçamos com o acalanto de que “é o que temos para hoje”.

Como segurar a ansiedade, a tristeza ou a depressão que podem se tornar a antessala para tantos outros desdobramentos tão indesejáveis? Que tal ouvir e cantar a música Desesperar jamais, de Ivan Lins e Vitor Martins, que faz parte do disco “A noite”, que Ivan Lins gravou em 1979? A música não deixa de ser um alento nesses tempos que tanto exigem de nós uma boa dose de paciência histórica, inteligência estratégica, equilíbrio e tenacidade no curso da viabilização de transformações tão necessárias nessa sociedade tão desigual.

Desesperar jamais
Fonte: Letras.mus.br

Desesperar jamais
Aprendemos muito nesses anos
Afinal de contas não tem cabimento
Entregar o jogo no primeiro tempo

Nada de correr da raia
Nada de morrer na praia
Nada! Nada! Nada de esquecer

No balanço de perdas e danos
Já tivemos muitos desenganos
Já tivemos muito que chorar
Mas agora, acho que chegou a hora
De fazer Valer o dito popular
Desesperar jamais
Cutucou por baixo, o de cima cai
Desesperar jamais
Cutucou com jeito, não levanta mais
  Comentários
 

Credo

por Luis Borges 4 de junho de 2017   Música na conjuntura

Neste 4 de junho a história registra os 40 anos da tentativa de realização do III ENE – Encontro Nacional de Estudantes – em 1977 no Diretório Acadêmico da Faculdade de Medicina da UFMG. Naquele ano os estudantes universitários de diversos estados do país eram protagonistas da luta política contra a Ditadura Militar e pacificamente, mas corajosos e organizados, tinham como objetivo a reconstrução da UNE (União Nacional dos Estudantes). O governo militar proibiu a realização do encontro, mas os estudantes não acataram a proibição e mantiveram a sua realização. A resposta do regime ditatorial foi dada através de uma brutal repressão aos estudantes nas estradas de acesso à Belo Horizonte e nas ruas da cidade. E culminou na invasão da Faculdade de Medicina no Campus Saúde da UFMG, na prisão de 440 estudantes e posterior indiciamento de 56 deles pela Lei de Segurança Nacional. Este post traz outros detalhes.

Durante o mês alguns eventos vão relembrar este acontecimento. Segundo os organizadores, a música Credo, a primeira do álbum “Clube da Esquina II”, de Milton Nascimento, e lançado em 1978, foi inspirada pelos acontecimentos que marcaram o movimento estudantil nessa época. A melodia é de autoria de Milton Nascimento, a letra é de Fernando Brant e a música pode ser ouvida aqui, na voz do próprio Milton Nascimento.

Credo
Fonte: Letras.mus.br

Caminhando pela noite de nossa cidade
Acendendo a esperança e apagando a escuridão
Vamos, caminhando pelas ruas de nossa cidade
Viver derramando a juventude pelos corações
Tenha fé no nosso povo que ele resiste
Tenha fé no nosso povo que ele insiste
E acordar novo, forte, alegre, cheio de paixão

Vamos, caminhando de mãos dadas com a alma nova
Viver semeando a liberdade em cada coração
Tenha fé no nosso povo que ele acorda
Tenha fé no nosso povo que ele assusta

Caminhando e vivendo com a alma aberta
Aquecidos pelo sol que vem depois do temporal
Vamos, companheiros pelas ruas de nossa cidade
Cantar semeando um sonho que vai ter de ser real
Caminhemos pela noite com a esperança
Caminhemos pela noite com a juventude.
  Comentários
 

Se a tão anunciada delação premiada da arrependida empreiteira Norberto Odebrecht prometia trazer consigo o fim do mundo, a do grupo empresarial JBS, que estourou como bomba nos últimos dias, poderia ter a pretensão de nos fazer sentir como se já estivéssemos depois do fim do mundo. Mas, que nada, foi apenas mais uma amostra de como a corrupção no Brasil se assemelha a uma septicemia tomando conta do corpo humano.

Para enfrentar tudo isso devemos manter a nossa resiliência em alto nível e com o realismo esperançoso de quem acredita que ninguém enganará a todo mundo o tempo todo. Ainda que o horizonte possa parecer momentaneamente cheio de névoa, não dá para desanimar da luta por uma sociedade bem mais justa, transparente e participativa.

Por isso lembro aqui versos do cantor e compositor Luiz Gonzaga Júnior em sua música Palavras dizendo que

“Desde quando sorrir é ser feliz?

Cantar nunca foi só de alegria

Com tempo ruim

Todo mundo também dá bom dia!”.

Já que palavras como corrupção, ladrão, delação poder estão em profunda evidência, que tal ouvir e cantar a musica É ladrão que não acaba mais do cantor e compositor pernambucano Bezerra da Silva (1927 – 2005)?

É ladrão que não acaba mais
Fonte: Letras.mus.br

Quando Cabral aqui chegou
E semeou sua semente
Naturalmente começou
A lapidação do ambiente...

Roubaram o ouro
Roubaram o pau
Prá ficar legal
Ainda tiraram o couro
Do povo
Desta terra original...

E só deixaram
A má semente
Presente de Grego
Que logo se proliferou
E originou a nossa gente...

É ladrão que não acaba mais
Tem ladrão que não acaba mais
Você vê ladrão
Quando olha prá frente
Você vê ladrão
Quando olha prá trás...(2x)

Hiiiiiii!
A terra boa
Mas o povo
Continua escravizado
Os direitos são os mesmos
Desde os séculos passados
O Marajá
Ele só anda engravatado
Não trabalha, não faz nada
Mas tá sempre
Endinheirado...

E se entrar no supermercado
Você é roubado!
E se andar despreocupado
Você é roubado!
E se pegar o bonde errado
Você é roubado!
E também se votar prá deputado
Você é roubado!
Certo!

Tem sempre 171 armando fria
Tem ladrão lá no congresso
Na quitanda e padaria
Ladrão que rouba de noite
Ladrão que rouba de dia
Dentro da delegacia
Ninguém entendia
A maior confusão
O doutor delegado
Grampeou todo mundo
Porque o ladrão
Roubou outro ladrão

É ladrão que não acaba mais
Tem ladrão que não acaba mais
Você vê ladrão
Quando olha prá frente
Você vê ladrão
Quando olha prá trás...(2x)

Quando Cabral aqui chegou
E semeou sua semente
Naturalmente começou
A lapidação do ambiente...

Roubaram o ouro
Roubaram o pau
Prá ficar legal
Ainda tiraram o couro
Do povo
Desta terra original...

E só deixaram
A má semente
Presente de Grego
Que logo se proliferou
E originou a nossa gente...

É ladrão que não acaba mais
Tem ladrão que não acaba mais
Você vê ladrão
Quando olha prá frente
Você vê ladrão
Quando olha prá trás...(4x)
  Comentários
 

Canção do sal

por Luis Borges 1 de Maio de 2017   Música na conjuntura

Cada dia do ano é dedicado a alguém, a alguma profissão ou mesmo a um determinado santo ou motivo.  Mas inegavelmente o Dia do Trabalhador, 1º de maio, mexe bastante com a sociedade em função do significado e do impacto que o mundo do trabalho e suas relações têm na vida de todos.

Neste ano de 2017 chegamos à data com a aprovação da proposta de Reforma Trabalhista pela Câmara dos Deputados e que agora passa a aguardar a votação no Senado Federal e posteriormente a sanção do Presidente da República. Ela veio precedida pela aprovação da Lei da Terceirização do trabalho e marcada pelo regime de urgência para a sua votação. A sensação é que dela também depende a salvação da pátria, como se ela, por si só, muito ajudasse a fazer cair a quantidade de brasileiros desempregados, hoje em torno de 14 milhões.

Também vale realçar a greve nacional de 28 de abril protestando contra a Reforma Trabalhista e notadamente contra a Reforma da Previdência Social, tida como outra salvadora da pátria e colidindo com várias conquistas de muitas categorias profissionais notadamente das altas castas do serviço público. O momento exige intensificação das mobilizações populares para aumentar a pressão sobre o desmoralizado e decadente Congresso Nacional na expectativa de que a movimentação das redes sociais se transforme em algo mais concreto na ruptura do silêncio que ainda permanece nas ruas.

Mesmo com a pauta que se coloca para a luta dos trabalhadores brasileiros nesse momento de condições adversas, com a brutal perda do poder aquisitivo dos salários em função da recessão econômica dos últimos anos, vale a pena refletir um pouco sobre a origem da palavra salário.

Segundo a Wikipédia:

“o trabalho antigamente era pago em proteção, abrigo ou em mercadoria, esta mercadoria por sua vez, era o sal. Salário deriva do latim salarium, que significa “pagamento de sal” ou “pelo sal”. O termo vem do antigo Império Romano, pelo fato que o sal valia como seu peso em ouro, pois ele era antigamente uma das poucas maneiras para preservar a carne”.

Para concluir essa abordagem sobre o dia do trabalhador me lembro da Canção do Sal, música composta por Milton Nascimento em 1967, portanto há 50 anos, e que faz parte do disco Travessia, o primeiro da sua brilhante carreira. Ouça aqui Canção do Sal na voz de Elis Regina.

Canção do Sal
Fonte: Letras.mus.br

Trabalhando o sal é amor é o suor que me sai
Vou viver cantando o dia tão quente que faz
Homem ver criança buscando conchinhas no mar
Trabalho o dia inteiro pra vida de gente levar

Água vira sal lá na salina
Quem diminuiu água do mar
Água enfrenta sol lá na salina
Sol que vai queimando até queimar

Trabalhando o sal pra ver a mulher se vestir
E ao chegar em casa encontrar a família sorrir
Filho vir da escola problema maior é o de estudar
Que é pra não ter meu trabalho e vida de gente levar.
  Comentários
 

Desenredo

por Luis Borges 24 de Abril de 2017   Música na conjuntura

A história oficial registra que o descobrimento do Brasil se deu no dia 22 de abril de 1500, quando as caravelas do navegador português Pedro Álvares Cabral chegaram ao litoral sul do hoje estado da Bahia tendo o local recebido o nome Monte Pascoal. Entre os historiadores existem aqueles que defendem a tese de que a frota de Cabral desviou-se intencionalmente de sua rota original rumo às Índias para chegar ao Brasil. Outros defendem que foi por mero acaso a mudança da rota enquanto alguns poucos afirmam que Portugal já havia descoberto o Brasil antes desta data.

O fato é que aqui estamos, 517 anos depois do ocorrido e registrado, começando como colônia portuguesa até chegar a atual República Federativa do Brasil. Diante de tantos problemas que enfrentamos hoje, como a corrupção institucionalizada, justiça lentíssima, grande concentração de renda nas mãos de poucos, democracia essencialmente representativa… Apesar de tudo prosseguimos em nosso realismo esperançoso acreditando na capacidade de mudança que existe nos brasileiros, ainda que de maneira desigual, mas passível de ser combinada em prol de um bem estar maior e mais digno para todos.

Enquanto vamos jogando paciência e sobrevivendo acumulando forças, que tal cantar (e refletir) a música Desenredo (G.R.E.S – Unidos do Pau Brasil),  composta por Luiz Gonzaga Júnior e Ivan Lins em 1979, aqui na voz de Leila Pinheiro?

Desenredo
Fonte: Letras.mus.br

No dia em que o jovem Cabral chegou por aqui ô ô 
Conforme diversos anúncios na televisão
Havia um coro afinado da tribo tupi
Formado na beira do cais cantando em inglês 
Caminha saltou no navio assoprando
Um apito em free bemol
Atrás vinha o resto empolgado da tripulação 
Usando as tamancas no acerto da marcação 
Tomando garrafas inteiras de vinho escocês

Partiram num porre infernal por dentro das matas ô ô
Ao som de pandeiros, chocalhos e acordeon
Tamoios, Tupis, Tupiniquins, Acarajés ou Carijós, sei lá 
Chegaram e foram formando aquele imenso cordão
Meu Deus, quibão
E então de repente invadiram a avenida central, 
mas que legal!
E meu povo vestido de tanga adentrou ao coral 
Um velho cacique baiano sacou do piston
E deu como aberto em decreto mais um carnaval

A assim a 22 daquele mês de abril
Fundaram a escola de samba
Unidos do Pau Brasil.
  Comentários
 

Foi num dia como hoje, há exatos 34 anos, que faleceu a cantora Clara Nunes. Mineira, nascida em 12 de agosto de 1942 no município de Paraopeba, mais especificamente no distrito de Cedro, hoje Caetanópolis.

Ao longo de seus pouco mais de 40 anos de vida teve uma trajetória profissional na qual foi subindo degrau a degrau até tornar-se a grande cantora que foi. Começou a cantar no coro de uma igreja e, aos 14 anos, foi trabalhar como tecelã na fábrica de tecidos Cedro e Cachoeira, onde ficou por 2 anos. Aos 16 anos mudou-se para Belo Horizonte, indo morar no bairro Renascença, e prosseguiu como tecelã durante o dia, estudante do curso Normal Superior à noite e cantora no coral de uma igreja nos finais de semana.

Em 1960 venceu a etapa mineira do concurso “A Voz de Ouro ABC” e ficou em terceiro lugar na etapa nacional. Depois veio a fase de cantora na Rádio Inconfidência, apresentadora de seu próprio programa musical na TV Itacolomi, a participação no cinema, a mudança para o bairro de Copacabana, no Rio de Janeiro, em 1965, e o término de sua participação no movimento da Jovem Guarda em 1968 com o filme “Jovens Pra Frente”.

A partir daí aderiu ao samba e à pesquisa mais intensa sobre a música e o folclore na cultura brasileira. Converteu-se ao Candomblé e foi pesquisar suas origens e ritos musicais no continente africano. Em 1972 consagrou-se definitivamente como cantora de samba ao lançar o LP “Clara, Clarice Clara”. A seguir participou com grande destaque ao lado do ator Paulo Gracindo do espetáculo “Brasileiro Profissão Esperança”, texto de Paulo Pontes.

Dentre seus vários discos lançados na sequência da carreira, com muito sucesso, podem ser citados os álbuns “Clara Nunes”, “Alvorecer”, “Claridade”, “Canto das Três Raças”, “As Forças da Natureza”, “Guerreira”, “Esperança”, “Brasil Mestiço”, “Clara” e “Nação”, que foi seu último LP, gravado em 1982. Mais detalhes sobre a carreira de Clara Nunes podem ser vistos aqui.

Apenas como uma pequena amostra para quem quiser relembrar de imediato alguns de seus grandes sucessos sugiro que se ouça as músicas:

Tributo aos Orixás

Conto de areia

Juízo final

Portela na avenida

O falecimento de Clara Nunes em 02/04/1983 se deu após 28 dias de internação na UTI da Clínica São Vicente, no Rio de Janeiro, em decorrência de reação alérgica ao anestésico usado numa cirurgia de varizes e a uma parada cardíaca.

É grande o reconhecimento pelo conjunto da obra da cantora e muitas são as homenagens que lhe são prestadas de diversas formas. Destaco aqui a musica Um ser de luz, cantada por João Nogueira de autoria de Paulo César Pinheiro (ex-marido de Clara Nunes), Mauro Duarte e João Nogueira conforme a letra a seguir.

Um ser de luz
Fonte: Vagalume

Um dia
Um ser de luz nasceu
Numa cidade do interior
E o menino Deus lhe abençoou
De manto branco ao se batizar
Se transformou num sabiá
Dona dos versos de um trovador
E a rainha do seu lugar
Sua voz então
Ao se espalhar
Corria chão
Cruzava o mar
Levada pelo ar
Onde chegava
Espantava a dor
Com a força do seu cantar

Mas aconteceu um dia
Foi que o menino Deus chamou
E ela se foi pra cantar
Para além do luar
Onde moram as estrelas
A gente fica a lembrar
Vendo o céu clarear
Na esperança de Vê-la, sabiá

Sabiá
Que falta faz tua alegria
Sem você, meu canto agora é só
Melancolia
Canta, meu sabiá, voa, meu sabiá
Adeus, meu sabiá, até um dia
  Comentários
 

Decorridos 12 dias da espetaculosa operação Carne Fraca feita pela Polícia Federal em alguns frigoríficos brasileiros, entre eles duas das maiores marcas do mercado, são muitos os desdobramentos e as consequências. Diante de tudo que tem sido falado nas diversas mídias, quero citar aqui 3 aspectos, dentre tantos, que merecem mais reflexão e ação.

O primeiro deles está ligado ao sistema de gestão da qualidade dos alimentos que estão envolvidos ao longo de toda a cadeia produtiva. Quem fiscaliza o fiscal e quem audita o auditor que faz parte do processo que verifica e atesta a conformidade das diversas etapas com as especificações previstas em leis, acordos comerciais, regulamentos e projetos envolvidos? O sistema precisa ter mecanismos à prova de bobeira, pois os critérios claramente especificados só atrapalham a ação de corruptos e corruptores.

Em segundo lugar é importante lembrar que a quantidade de informações que vieram à tona através de fatos e dados, com diferentes níveis de rigor técnico e cientifico, nos mostram que ainda temos muito que melhorar em nossa busca de informações e conhecimentos consistentes que amparem e sustentem as nossas opiniões e abordagens. Não vale o achismo nem se ter a profundidade de um pires.

Em último lugar registro que não percebi se representantes dos consumidores brasileiros foram convidados para participar do churrasco que o Presidente da República ofereceu aos embaixadores de 27 países importadores de carnes brasileiras, que ocorreu no domingo 19/3 em Brasília. Um fato curioso, não sei se percebido pelo Presidente em sua rápida reação, é que a churrascaria é especializada em carnes oriundas da Argentina, Austrália e Uruguai. Já os dados sobre as exportações brasileiras até o período anterior à ocorrência da operação policial mostram que os brasileiros são disparadamente os maiores consumidores da carne produzida por aqui. São exportados 30% da carne de frango, 20% de bovinos e 18% de suínos. No mínimo devíamos estar representados no churrasco, ainda que pagando R$119 por pessoa.

Para embalar essas reflexões sugiro que se ouça a música Churrasco, de autoria de José Mendes e Luis Muller, na voz de José Mendes.

Churrasco
Fonte: Letras.mus.br

O churrasco já está pronto traga a faca e a farinha
Chegue pra cá rapaziada que o churrasco é na cozinha
Esta vida da cidade meu bem para mim não tem valor meu bem
Me lembro da minha terra meu bem onde mora o meu amor

Quando abro esta acordeona corro os dedos no teclado
E canto nesta melodia meu viver apaixonado
Teus cabelos cor da noite meu bem olhos verdes cor do mar meu bem
Quando chegará o dia meu bem de contigo me casar

Se eu pudesse ser o sol para te espiar pela janela
Não sentiria esta saudade que eu não posso mais com ela
Eu quisera ser a rola meu bem a rolinha do rincão meu bem
Para construir meu ninho meu bem dentro do teu coração

Não precisa ser o sol meu bem nem a rola do rincão meu bem
Para construir teu ninho meu bem dentro do meu coração

Então vou falar com teu pai para o seu consentimento
Vai ter um churrasco gordo na festa do nosso casamento
Pode falar com meu pai meu bem para o seu consentimento meu bem
Vai ter um churrasco gordo meu bem na festa do nosso casamento
  Comentários