Vale a leitura

por Luis Borges 13 de Março de 2017   Vale a leitura

Mais exames

A crise é a mãe de todas as oportunidades. Ela também ajuda a embalar os questionamentos e as discussões sobre os altos custos da saúde e as permanentes denúncias da falta de recursos para o setor. Pouco se discute sobre a gestão e os desperdícios de toda natureza. Por que são solicitados inúmeros exames de apoio ao diagnóstico de qualquer problema ou porque tantas cirurgias com bons períodos de internação hospitalar são prescritas rapidamente, embora possam ter sua real necessidade questionada? Quais modelos de remuneração dos serviços médicos seriam os mais adequados no atual momento?  É o que aborda Cláudia Collucci neste artigo publicado pela Folha.

“Hospitais privados do país adotam programas de benefícios que, entre outros critérios, premiam médicos pelo volume de exames, cirurgias e internações que realizam. Quanto mais procedimentos, mais pontos ganham na avaliação – que inclui itens como fidelização, adesão aos protocolos clínicos e atuação em ensino e pesquisa. O médico que soma mais pontos consegue mais reputação dentro do hospital e privilégios como presentes, descontos em exames para ele e seus familiares e prioridade no uso do centro cirúrgico”.

Morar em casa ou apartamento?

Como nos ensina a sabedoria popular, “sapo pula é por necessidade e não por boniteza”. Se nesse momento o dinheiro está curto, o reajuste salarial não garante a reposição da inflação e falta trabalho para profissionais de todos os níveis é mais que obrigatório se fazer uma revisão dos custos de se viver. A dor e a delícia de se viver numa casa, num apartamento de um edifício residencial ou num condomínio fechado de casas e apartamentos ajuda a pensar no beneficio e no custo de cada opção. E a sensação de segurança ou insegurança pesa para fazer quais ponderações? Uma boa contribuição para ajudar numa tomada de decisão está no artigo Trocar condomínio por casa vai além do exercício matemático, escrito por Marcia Dessen publicado pela Folha de São Paulo.

Antecipando o fim da vida vegetativa

Em princípio as pessoas desejam viver dignamente até chegar o dia de fechar os olhos dignamente também. Mas o caminho que vai do nascer ao morrer não é linear e muitos podem ser os eventos surpreendentes ao longo do trajeto. Se vier o pior e a qualidade de vida ceder espaço ao estado meramente vegetativo, será que vale a pena prosseguir? Ou cada pessoa tem o direito de registrar a sua vontade de antecipar a morte diante de condições tão desfavoráveis e indignas? Confira o artigo O tabu do suicídio assistido no Brasil: morte digna ou crime contra a vida?, publicado pela BBC Brasil. Nele é abordada a situação atual do escritor Carlos Heitor Cony, de 90 anos, que diz:

“Há casos em que os remédios já não produzem mais efeito, a família gasta um dinheiro que não tem e, pior, o paciente não tem mais condições de viver, só de sofrer. Se não há uma solução médica ou científica, o suicídio assistido é a saída mais humana que existe”

  Comentários

Publicado por

Publicado em