Vale a leitura

por Luis Borges 19 de Fevereiro de 2017   Vale a leitura

De onde vem a motivação?

A palavra “motivação” nos remete aos motivos que temos para a ação. E mais, que esses motivos vem de dentro de cada um de nós, apesar de todas as variáveis que fazem parte do nosso entorno. Ainda assim e diante de todo conhecimento já consolidado sobre o tema motivação, muitos são os casos em que, por exemplo, um dirigente de uma organização quer sacudir seu grupo ou equipe de trabalho injetando motivação através de uma palestra. Isso é o que abordado por Daniela do Lago em seu artigo Em busca de otários: O dia seguinte da palestra de motivação, publicado no portal UOL. A autora chama a atenção para uma situação que ocorre com frequência:

“Não confunda motivação com animação. A confusão acontece quando as empresas contratam uma palestra motivacional (e pagam pequenas fortunas para isso) com a promessa de resolver todos os seus problemas internos relacionados às pessoas, mas o que conseguem ao final do evento são colaboradores animados e energizados saindo do auditório da empresa após uma hora de show e entretenimento. Essa animação tem curtíssima validade, custa caro e tem pouca aplicabilidade no dia a dia”.

A experiência de um neurocirurgião

O que se passa no bloco cirúrgico de um hospital envolvendo decisões e ações durante um processo cirúrgico em qualquer tecido ou órgão do corpo humano? Acertar é humano, mas os humanos também erram. Porém admitir um erro não é nada fácil e conviver com ele também deve incomodar muito. Acontece que as informações geralmente são bastante econômicas e existe um sigilo amparado pelo Código de Ética. Uma oportunidade interessante para se conhecer um pouco mais sobre esse tipo de trabalho ao longo da carreira de um cirurgião está no livro “Sem causar mal – Histórias de Vida, Morte e Neurocirurgia”, escrito pelo médico neurocirurgião britânico Dr. Henry Marsh. A obra foi comentada por Inma Gil Rosendo em artigo publicado pela BBC Brasil. Chamou minha atenção uma referência feita ao processo decisório sobre envolvendo a recomendação de uma cirurgia.

“Quase sempre, explica o médico, erros ocorrem na tomada de decisões anteriores, quando tratam de questões sobre operar ou não o paciente, ou que tipo de operação será feita e como ela vai ser executada. “Pela minha experiência, quando algo vai mal, quase sempre é porque se tomou a decisão equivocada”, avalia o médico. É durante o processo de decisão que os cirurgiões enfrentam grandes dilemas. Às vezes, têm de optar por aquilo que no jargão médico é chamado de “sacrifícios”: causar algum dano para evitar danos ainda maiores.”.

Obsessão pela imagem perfeita

Fazer uma selfie inúmeras vezes até obter aquela em que tudo parece na mais perfeita ordem, mesmo que se use todos os recursos de edição, faz parte do cotidiano de muita gente. Mas o que pode estar por trás dessa obsessão para mostrar beleza e felicidades permanentes? Confira a abordagem de Melissa Diniz em seu artigo Busca pela foto perfeita é sinal de doença e até já tem nome: selficídio.

“Além da enorme perda de tempo em função das fotos, o selficida tem baixa autoestima, dificuldades de relacionamentos e constante busca por aceitação. O mecanismo de postar fotos de si mesmo é uma espécie de autopromoção. A pessoa procura conseguir as curtidas em uma tentativa de obter o respaldo dos outros. Mas, primeiro, usa aplicativos e programas de edição para deixar a foto perfeita”.

  Comentários

Publicado por

Publicado em