Vale a leitura

por Luis Borges 5 de Fevereiro de 2017   Vale a leitura

Fazer o que se gosta ou gostar do que se faz?

Encontrar um trabalho que atenda nossas necessidades e expectativas não é tarefa das mais fáceis, ainda mais em tempos de recessão econômica. Se sonhamos com a ideia de trabalhar naquilo que se gosta, muitas vezes acabamos tendo que gostar daquilo em que trabalhamos devido à imperiosa necessidade da sobrevivência. Esse pode ser um ponto de partida para a insatisfação e a infelicidade, sempre realimentadas pelas mais diversas causas que se fazem presentes num processo de trabalho, geralmente a começar pelo chefe. É interessante a abordagem sobre o tema feita por Lucy Kellaway no artigo Empregos melhoraram, mas por que nos sentimos tão infelizes?, publicado pela Folha de São Paulo.

“Pessoas dotadas de diplomas universitários tendem a desgostar de seus empregos mais frequentemente que as pessoas não diplomadas. E assim, já que hoje mais pessoas têm diplomas universitários, a infelicidade é maior. À medida que ascendemos pela hierarquia das necessidades de Abraham Maslow, se torna mais difícil apreciar o panorama visto de cima”.

Real x virtual

Como os adolescentes de hoje, e não só eles, estão se comportando diante do predomínio do virtual, que torna dispensável um encontro presencial entre as pessoas? Como fazer para atrair e prender a atenção de alunos adolescentes virtualizados numa sala de aula da segunda metade do ensino fundamental ou do ensino médio? Camila Apell aborda essa questão a partir da pedagogia cemiterial no artigo Vamos começar pelo fim? publicado no blog Morte Sem Tabu.

“O adolescente virtualizado é descrito pela autora como aquele que prefere interagir emocionalmente e racionalmente pela internet e acaba se distanciando cada vez mais da realidade. Uma consequência brutal desse comportamento é não conseguir perceber a morte como concreta, o corpo como finito, e também seria um dos motivos para o crescimento das taxas de suicídio e de comportamentos autolesivos entre os jovens”.

Donald Trump está causando

A maior parte dos institutos de pesquisas americanos não conseguiu detectar nas sondagens de opinião a vitória de Donald Trump na eleição presidencial dos Estados Unidos. Se o discurso de campanha de Trump assustou muita gente ao propor a construção do muro na divisa com o México, o combate à globalização, o bloqueio aos imigrantes… agora que ele já tomou posse da cadeira presidencial dá para se ver nesses 15 dias como é grande a sua vontade de implementar as proposições feitas e que o levaram à vitória. Mas como entender o que significa a vitória de Donald Trump em função da correlação de forças existente atualmente no planeta Terra? Uma explicação bastante consistente foi dada pelo Frei Leonardo Boff em seu Trump: uma nova etapa da história? publicado no blog do autor.

“Estamos, pois, diante de uma profunda crise de civilização. Diluiram-se as estrelas-guias e surgiu seu oposto dialético: a busca de segurança, de ordem, de autoridade, de normas claras e de caminhos bem definidos. Na base do conservadorismo e da direita em política, em ética e em religião se encontra este tipo de percepção das coisas. Ela está a um passo do fascismo como se verificou na Alemanha de Hitler e na Itália de Mussolini”.

  Comentários

Publicado por

Publicado em