Vale a leitura

por Luis Borges 11 de Janeiro de 2017   Vale a leitura

A inveja permanente

A inveja é um pecado capital que está sempre em permanente evidência, principalmente pela incapacidade que muitas pessoas têm de disfarçá-la ou escondê-la. Por outro lado, os métodos para percebê-la logo de cara também vão sendo aperfeiçoados por muitos que sentem na pele o seu efeito devastador.  Uma interessante abordagem sobre esse pecado capital é feita por João Pereira Coutinho no artigo Desconfio que a inveja tenha origem no medo humano do esquecimento publicado pela Folha de São Paulo.

Eu invejei. Eu invejo. A minha escrita –boa, má, assim-assim– é o produto dessa admiração magoada. Alguém escreve o que eu cobiço. Coloco meus óculos, retiro meu caderno, minha lapiseira. E, como um aluno aplicado, vou soletrando o talento alheio até conseguir resultado comestível.

Foi assim com heróis vários da minha juventude: Camus, Greene, Waugh. Quanta nobreza da minha parte confessar isso, certo?

Errado. Eu sei e você sabe que essa não é a inveja que corta fundo. Invejar Kafka é pose. Invejar os meus amigos deixa um sabor amargo –na minha e na sua boca. O prêmio que eu não recebi. O aplauso que não foi para mim. O dinheiro que não caiu na minha conta bancária.

Parar de pagar o INSS é uma saída?

A discussão da proposta de Reforma da Previdência Social enviada pelo Governo Federal ao Congresso Nacional trouxe à tona muitos questionamentos, dúvidas e sugestões de outras possibilidades de renda para um futuro que se aproxima a cada dia. Um dos questionamentos que tem ganhado fôlego é sobre até que ponto é valido contribuir para o INSS. Por outro lado cresce o enaltecimento à Previdência Privada, que cobra uma taxa de administração que chega até a 3,4% do rendimento. Conhecer mais profundamente as várias possibilidades e vantagens de aplicações do seu dinheiro que podem trazer bom retorno para o tempo da aposentadoria deve ser um objetivo permanente. Uma boa amostra dessas possibilidades está no artigo Esquecer o INSS e fazer sua própria Previdência? Talvez você se surpreenda, escrito por Téo Takar e publicado no portal UOL.

Começar a trabalhar segue desafiando os jovens

Em novembro de 2016 o índice de desemprego entre os jovens de 18 a 24 anos chegou a 25,7%. Fica visível como está difícil para os jovens encontrar um trabalho para começar a carreira profissional e também para fazer frente aos custos que a vida exige. Sonhar com uma grande trajetória profissional já começa a ficar em segundo plano diante predomínio da recessão econômica e do desemprego alarmante. É sobre isso e seus entornos que Anamaíra Spaggiari escreveu no artigo Com crise, jovens voltam a valorizar a estabilidade da geração X, publicado pelo portal UOL.

Esse cenário deixa o universitário que está entrando no mercado de trabalho em alerta, com muito medo de não conseguir um emprego e de não construir a carreira que tanto sonhou. Sem muitas opções, resta agarrar-se à oportunidade que aparece, mesmo que ela não lhe traga realização pessoal e não faça sentido para a sua trajetória profissional.

  Comentários

Publicado por

Publicado em