Muita ousadia diante da certeza da impunidade

por Luis Borges 19 de Maio de 2017   Pensata

As delações premiadas dos irmãos Joesley e Wesley Batista, do grupo empresarial JBS, feitas à Procuradoria Geral da República vieram a público na noite da quarta, 17/05. Causaram um enorme rombo político aos denunciados e geraram as mais diversas reações nos segmentos da sociedade brasileira. O estrago é maior devido ao nível documental das evidências objetivas apresentadas, que envolvem diretamente o impopular Presidente da República pós-impeachment da Presidente eleita em 2014 e o inconformado Senador que perdeu a disputa daquele ano.

O ponto que quero ressaltar é a grande ousadia dos políticos partidários em prosseguir com as mesmas piores práticas políticas que vem sendo questionadas com muito ímpeto desde as manifestações populares de 2013. Naquela ocasião, as reivindicações deixaram muito claro o que não se aceitava mais e como eram altas as expectativas por mudanças mais profundas no convívio social. O sistema político partidário em vigor para representar o povo em nome da democracia representativa dava sinais claros de seu esgotamento.

Apesar do susto trazido pelas manifestações de rua, quase nada de mais concreto foi feito em direção às mudanças reivindicadas. Em março de 2014 surgiu a operação Lava Jato, feita pela força tarefa do Ministério Público e da Polícia Federal, para investigar as tenebrosas transações da corrupção na Petrobras. Ficou claro que era apenas a ponta de um iceberg e que a relação entre corruptos e corruptores do setor público e privado tem padrões semelhantes muito bem difundidos. O que varia é só a intensidade e o volume de ganhos envolvendo os independentes e harmoniosos três poderes em todos os âmbitos.

Nunca faltam discursos enaltecendo a democracia representativa e o funcionamento pleno das instituições no estado democrático de direito. Mas a lenta justiça, que sabe muito bem como e para quem se manifestar, é apenas mais uma causa a incentivar a ousadia para se praticar atos com enorme probabilidade de ficarem impunes e serem garantidores do poder e da acumulação de riquezas a partir da privatização do Estado.

Portanto, as práticas corruptas contidas nas gravações feitas nos dias 7, 13 e 24 de março deste ano apenas demonstram o desprezo que seus protagonistas têm pela ética nas relações da sociedade e pela moral dos indivíduos. O que vale mesmo, diante da certeza da impunidade, é surfar no capitalismo sem riscos e deixar como sub-produtos da corrupção o desemprego, a recessão econômica, o estado de mal estar social, a crise política…

Enquanto os atos não tiverem consequências continuaremos a ter que conviver com a arrogância dos que têm duas caras, inclusive quando abusam de nossa inteligência ao justificar um ato corrupto como sendo algo de caráter pessoal e não inerente às duas caras do mesmo indivíduo.

  Comentários

Publicado por

Publicado em