“A lição já sabemos de cor, só nos resta aprender”

por Convidado 3 de Março de 2017   Convidado

* por Sérgio Marchetti

Muitas pessoas com as quais convivo profissional e pessoalmente têm me confidenciado sobre a dificuldade de se relacionar, principalmente com seus filhos, num mundo de muita tecnologia e pouco afeto. Dizem, e concordo, que com o advento da tecnologia – recurso no qual os jovens levam imensa vantagem sobre os mais velhos – a geração Y e as posteriores se tornaram as classes de jovens mais poderosas de toda história. O domínio da tecnologia gera essa sensação de superioridade e contribui para que os filhos pensem que sabem mais do que os pais, por exemplo.

A história, entretanto, nos revela que a juventude sempre trouxe esses arroubos, seguidos de muita coragem e vontade de mudar as regras. Não é novidade que as novas gerações também estejam passando pelo mesmo arrebatamento. A compulsão de sugar a seiva da vida com toda a força, e dela usufruir em sua plenitude, também não é atual.

O que é novo, revelado em estudos, é que a humanidade está se tornando cada vez mais fria e solitária. O mundo evoluiu e os sentimentos de empatia estão agonizando. Mas a essência das coisas é a mesma de 500 ou mais anos.

Quisera que fossem apenas os jovens os praticantes do egocentrismo. Mas não são. Os mais maduros também esfriaram seus sentimentos e se isolaram em seus casulos cibernéticos. O grande estudioso Daniel Goleman informa que em hospitais e consultórios dos Estados Unidos os médicos que dão mais atenção e que realmente focam no problema do paciente conseguem resultados melhores no tratamento de doenças. Relata que profissionais que são processados não cometem mais erros do que os seus colegas. Mas têm menos afinidade e pouco relacionamento com seus pacientes. O estudo também constatou que os processados agem tecnicamente, não perguntam sobre as preocupações dos enfermos e nem respondem a todas as suas dúvidas. Alguns professores se comportam de forma semelhante e, mesmo tendo muito conhecimento do assunto, ensinam de forma mecânica, centrados apenas em suas teses. O resultado é o insucesso da aprendizagem. Talvez seja bom lembrar que por trás dessas atitudes se esconde uma doença chamada Alexitimia (indivíduos que não sabem o que sentem e não imaginam como o outro pode estar se sentindo) e que essas atitudes precisam ser tratadas antes que a prática do relacionamento se torne irreversível.

Diante de relatos como esses, chego à conclusão de que está faltando empatia, porém, está sobrando antipatia. Tornou-se comum nos depararmos com pessoas que fazem questão de ser grosseiras e arrogantes. Pessoas que não passam de meros figurantes no teatro da vida, mas que roubam a cena e se julgam protagonistas e, em seus desvarios, pensam ser celebridades.

Mas a família do phatos (sentimento) não para por aí. Felizmente tem uma prima que se chama simpatia. Pois ainda encontramos cidadãos educados que, como diria meu avô, têm berço e classe. São homens e mulheres que, não tendo que mascarar sua trajetória, caminham com leveza e emprestam luz aos que vivem nas sombras. Bem-aventuradas sejam essas criaturas porque são uma raridade num mundo tão cruel e hipócrita.

A família tem ainda mais um parente, a apatia – uma tia ranzinza e sistemática – que é outro mal que nos acomete. E é muito grave. Vejamos a situação da sociedade diante dos crimes. Apatia total. Enquanto ficamos escondidos atrás das grades de nossas casas, ladrões e assassinos têm liberdade para fazer o que quiserem, impunemente.

O que posso dizer àqueles que desabafam comigo sobre as dificuldades de relacionamento é que os sinais nos indicam que aí vêm chuvas e trovoadas. E que teremos que aprender e reaprender a conviver com novos valores e a vencer obstáculos continuamente.

Willian Shakespeare já previa todas essas tendências com uma visão futurista tão incrível que nos deixou o legado da visão para enfrentarmos as dificuldades e mudarmos de atitude. Recorro aos seus versos para buscar um alento que me proporcione sabedoria para encarar os novos desafios e encontrar caminhos alternativos. Com Shakespeare a gente aprende que depois de algum tempo as mudanças nos provam que nada era impossível. Aprende que deve ter iniciativa e buscar a adaptação.

“Aprende que não importa em quantos pedaços seu coração foi partido,

O mundo não para, para que você o conserte,

Aprende que tempo é algo que não pode voltar para trás.

Portanto, plante seu jardim e decore sua alma,

Em vez de esperar que alguém lhe traga flores.”

* Sérgio Marchetti é educador, palestrante e professor. Possui licenciatura em Letras, é pós-graduado em Educação Tecnológica e em Administração de Recursos Humanos. Atua em cursos de MBA e Pós-Graduação na Fundação Dom Cabral, B.I. International e Rehagro. Realiza treinamentos para empresas de grande porte no Brasil e no exterior. www.sergiomarchetti.com.br.

  Comentários

Publicado por

Publicado em