Curtas e curtinhas

por Luis Borges 21 de Fevereiro de 2017   Curtas e curtinhas

Tentando combater a impopularidade

A estimativa de contração do PIB em 4,3% em 2016 e apenas 10% de avaliação positiva do Presidente da República Michel Temer ajudam a sacramentar a impopularidade presidencial. Também pudera, só de desempregados já são quase 13 milhões. Medidas pontuais para tentar ganhar algum fôlego começaram a ser tomadas com a liberação das contas inativas do FGTS, isentas de Imposto de Renda, e nova forma de financiar os débitos rotativos dos cartões de crédito após 1 mês da dívida. Agora a proposta é mexer na tabela do Imposto de Renda da Pessoa Física passando o limite de isenção de R$1.900,00 para algo em torno de R$8 mil. Resta saber se a Receita Federal vai aceitar abrir mão dessa receita. Afinal de contas o dinheiro faria falta para o atingimento da meta de R$139 bilhões de déficit público prevista no orçamento de 2017.

Dólar próximo de R$3,00 e a gasolina a quanto?

A atual política de preços da Petrobras para combustíveis como a gasolina e o óleo diesel está atrelada à cotação do petróleo no mercado internacional e à variação cambial em tempo real. Será que dá para esperar alguma redução de preços nas bombas dos postos ou isso será no máximo para as refinarias? Se fosse o contrário, os preços subiriam imediatamente.

As 10 medidas contra a corrupção

O projeto de iniciativa popular contendo 10 medidas contra a corrupção no Brasil não pode ser desfigurado em sua votação na Câmara dos Deputados com a introdução de novos itens no texto. O Ministro Luiz Fux, do STF, determinou a volta do projeto à Câmara para nova análise e votação, conforme determina a Constituição Federal. O Presidente da Câmara disse que vai aguardar uma decisão final do plenário do STF (quando será?) e fala que é preciso verificar a autenticidade das assinaturas de 2 milhões de eleitores.

Autenticar uma assinatura num cartório de Minas Gerais custa, este ano, R$6,29. Imagine o tempo que a Câmara dos Deputados poderá ganhar com essas duas medidas protelatórias e a oportunidade de negócios que os cartórios do país estão perdendo ao não fazer esse serviço de autenticação tão ao gosto da burocracia brasileira.

Planos de saúde em queda livre

Segundo dados divulgados pelo Instituto de Estudos de Saúde Suplementar 300 mil planos de saúde foram cancelados em janeiro de 2017. Outros 1,3 milhão de planos já haviam sido cancelados no ano de 2016. Além das diversas consequências da forte contração econômica vale lembrar também que os reajustes desses planos tem ficado sempre bem acima da inflação e, em alguns casos, chegado até a 16%. Estima-se que 47 milhões de pessoas sejam beneficiárias, hoje, das diversas modalidades de planos de saúde suplementar com seus variados limites técnicos enquanto a população brasileira foi estimada em 206 milhões de habitantes em 2016 segundo o IBGE. Como você avalia a sua capacidade para se manter num plano de saúde que tenha um nível de qualidade adequado às suas necessidades?

  Comentários

Publicado por

Publicado em