Carnaval e cinzas – poeta triste trazendo alegrias…

por Convidado 2 de Fevereiro de 2017   Convidado

* por Sérgio Marchetti

É Carnaval! São três dias de folia e brincadeiras… Que nada! Tudo mudou. A brincadeira se transformou em droga, sexo e axé. O que resta nas memórias de algumas retinas fatigadas como as minhas é a saudade das brincadeiras dos antigos carnavais. Era diversão, mas isso é pura nostalgia de quem amava os salões e as marchinhas.

Quando Luiz Carlos Paraná escreveu Maria, Carnaval e cinzas, eu, criança, achei uma falta de gosto fazer uma letra tão triste para o Carnaval. Vejam duas estrofes:

Nasceu Maria quando a folia
Perdia a noite ganhava o dia
Foi fantasia seu enxoval.
Nasceu Maria no carnaval.
E não lhe chamaram assim como tantas
Marias de santas, Marias de flor
Seria Maria, Maria somente
Maria semente de samba e de amor.

Morreu Maria quando a folia
Na quarta-feira também morria.
E foi de cinzas seu enxoval
Viveu apenas um carnaval.

Hoje, adoro a letra. Continuo achando triste, mas gosto dela. Tempos depois, também escrevi uma “letrinha” para sair com um bloco de amigos. Mas nunca saímos e a letra ficou guardada. Também não é nada alegre, mas é o que tem para hoje: saudade.

observacao_e_analise_ainda_bem_que_agua_nao_e_cachaca_2

Bloco de rua em BH no carnaval de 2014. / Foto: Marina Borges

Carnaval e cinzas  - poeta triste trazendo alegrias...

O meu bloco vai sair na rua
E você vai sambar tão nua,
Vai fazer o povo me aplaudir,
Vai fazer o povo me sorrir...

E no delírio que esta marcha traz
Todo mundo vai sentir em paz,
Vão vibrar com a nossa alegria,
Vão dançar com a nossa  folia

E em coro então vão cantar:
Esta é a marchinha de um poeta triste,
Esta é a pureza que ainda existe;
Este é um bloco bem genial.
É a alegria do meu carnaval.

E minha ala  vai passando lenta,
E a multidão nos saudando atenta...
É a alegria desse povo triste, 
Que durante todo o ano insiste

Pra poder num carnaval cantar:
Esta é a marcha de um poeta triste,
Esta é a pureza que ainda existe;
Este é um bloco bem genial.
É a alegoria do meu carnaval.

São três dias de loucura e fantasia, 
São três dias de teatro e poesia.
E antes  da quarta-feira acordar
O nosso bloco vai com tudo pra abalar,

Pois ainda temos uma noite para cantar:
Esta é a marcha  de um poeta triste,
Esta é a pureza que ainda existe;
Este é um bloco bem genial.
É a nobreza do meu carnaval.

A quarta-feira vai se anunciar
E as cinzas vão nos separar...
Outra vez, a fantasia durou pouco.
Mas por você continuo sempre louco.

E aí vou vestir a outra fantasia
Personagem sério, sem nenhuma alegria,
E com ela o ano todo desfilar,
Esperando um ano inteiro pra te amar,

Para de novo no carnaval cantar:
Este é o bloco de um poeta triste,
Esta é a pureza que ainda existe;
Este é um bloco bem genial.
É a nostalgia do meu carnaval.

E o meu bloco então passou...
Alegrias, fantasias, alegorias desfilou.
Mas chegou a quarta- feira e acinzentou
E o bloco, que era sonho, acordou.

Então, caro leitor, ponha seu bloco na rua, mesmo que ele seja o bloco do poeta triste, mesmo que sua marchinha nunca seja cantada e que a fantasia nunca seja usada e que tudo isso seja apenas um sonho de três dias. Deixe o bloco passar e levar toda a energia ruim. Seja mais livre, mais tolerante, deixe que o coração lhe conduza e a emoção, fruto de uma outra fantasia, lhe faça mais feliz.

Afinal, Carnaval é feito para usar fantasias e deixar que a insustentável leveza do ser possa tirá-lo do chão. Peça licença à tristeza, separe-se dela; “você pra lá e eu pra cá”, até quarta-feira. Então, fique de bem com a vida. “Vem… pra ser feliz…”

* Sérgio Marchetti é educador, palestrante e professor. Possui licenciatura em Letras, é pós-graduado em Educação Tecnológica e em Administração de Recursos Humanos. Atua em cursos de MBA e Pós-Graduação na Fundação Dom Cabral, B.I. International e Rehagro. Realiza treinamentos para empresas de grande porte no Brasil e no exterior. www.sergiomarchetti.com.br.

  Comentários

Publicado por

Publicado em