Amor à primeira vista

por Luis Borges 14 de Abril de 2017   Convidado

* por Sérgio Marchetti

Aconteceu comigo. Foi amor à primeira vista em pleno mês de fevereiro. Foi antes do Carnaval. Eu olhei para aquela pessoa frágil, inocente, mas ela nem sequer me notou. Eu não existia para ela. Não passava de um estranho, mais um chato querendo se aproximar dela. Mas não fui atrevido. Detesto ser inconveniente e forçar minha presença com quem quer que seja. Fui sempre assim. Quando puder ser útil, sem invasão de privacidade, estarei ao lado dela. Tudo é novo e, por mais que estejamos preparados para a novidade, sempre há surpresas no inabitual.

O certo é que, apesar das dificuldades naturais que permeiam os fatos novos, meu coração continua batendo mais forte por ela. É algo indescritível, e nem sabia que em meu coração cansado e meio descrente dos rumos da humanidade, ainda caberia um novo amor.

Aí veio o tempo, que é inimigo e aliado e, aos poucos, para minha felicidade, percebi que já estava sendo notado. Muito pouco, porém o amor é paciente, é bondoso e não se irrita – como disse Paulo aos Coríntios.

Confesso que não consegui muito progresso. Ela não fala comigo mas, ao vê-la, meu coração se enternece. Emociona-me estar perto dela e estou certo de que é uma questão de tempo para que nos tornemos grandes amigos. Para dizer a verdade, se não for ilusão, acho que outro dia ela sorriu para mim. Foi um sorriso discreto, de cantinho de boca, mas valioso por ter sido o primeiro de uma série de sorrisos que se transformarão em gargalhadas.

De novo busco auxílio no tempo. Esse personagem principal na novela de nossas vidas. O tempo, personagem que consegue ser mocinho e vilão numa mesma trama. Figura forte, que em sua onipotência e onipresença nos enfraquece, nos rouba os traços de beleza, o brilho do olhar e a força muscular, entre tantos furtos de que é capaz aquele bandido. Entretanto, é ele que nos permite resignação em nossas perdas, nos ensina a ter calma, a não antecipar aquilo que exige um período maior para acontecer.

Sinto saudade. Vontade de ver, de abraçar. Isso é prova de que a vida é renovável e de que o amor, além de incomensurável, é um sentimento que nos estimula a viver.

Posso cantar a música de Júlio Iglesias e dizer que “ela me enfeitou a vida desde aquela tarde em que chegou…”. E, ao chegar, tornou-se prematuramente a protagonista do teatro de minha vida e de muitas outras pessoas. É a estrela principal que iluminou meus dias e gerou uma responsabilidade de ter que viver mais tempo para poder usufruir de sua companhia. Uma diferença de idade nos separa, mas em nossa relação só irá intensificar nosso amor.

Os dias passam e a esperança de conquistá-la aumenta a cada hora. Acho que ela é meio brava e geniosa, pois demonstra ser portadora de personalidade forte. Melhor assim. Sabe o que quer. Vamos discutir algumas vezes. Isso eu já estou prevendo.

Já que estou falando de amor, me vem à mente uma lembrança de alguém que escreveu que quando nasce uma criança, nasce também um pai, uma mãe, os avós, os tios. E, de fato, é exatamente assim que acontece. São os marinheiros de primeira viagem. Neste momento posso dar vida à frase acima. Em minha família nasceu uma criança, primeira filha de um casal. Nasceu então a mãe, o pai, as tias, a avó e o avô. Começou um novo mundo e, nele, começamos a escrever uma nova história.

Nasceu Manuela, um bebê que me fez nascer avô e, antagonicamente, me tornar um menino de cabelos grisalhos com olhos umedecidos e brilhantes, morrendo de vontade de brincar com ela.

Eu disse. Foi amor à primeira vista. Estou aprendendo uma nova maneira de amar.

Como escreveu Guimarães Rosa:

“Minha senhora dona, um menino nasceu. O mundo tornou a começar”.

* Sérgio Marchetti é educador, palestrante e professor. Possui licenciatura em Letras, é pós-graduado em Educação Tecnológica e em Administração de Recursos Humanos. Atua em cursos de MBA e Pós-Graduação na Fundação Dom Cabral, B.I. International e Rehagro. Realiza treinamentos para empresas de grande porte no Brasil e no exterior. www.sergiomarchetti.com.br.

  Comentários

Publicado por

Publicado em