Vale a leitura

por Luis Borges 29 de junho de 2014   Vale a leitura

Mais nocivos – A tecnologia avançou, mas os cigarros vendidos atualmente são mais nocivos à saúde que os de 1964. Segundo matéria do JB, o problema é que os fabricantes aumentaram a concentração de nicotina e incluíram compostos que potencializam o efeito da substância, como amônia e açúcar.

Ocupações – Um novo colunista estreou na Folha na semana que passou. É o filósofo Guilherme Boulos, membro da coordenação nacional do Movimento dos Trabalhadores Sem-Teto (MTST). De cara, escolheu apresentar o ponto de vista daqueles que ocupam os terrenos privados, dando uma receita para acabar com as ocupações. Uma forma de entender “o outro lado”, como gosta de dizer o jornal.

A receita é política. Combater a especulação imobiliária com regulação de mercado, tirar o controle da política urbana das mãos das grandes empreiteiras e desenvolver uma estratégia de desapropriação de terras que recupere a capacidade do poder público de planejar a política habitacional. Esses são importantes passos para quem quiser de fato acabar com as ocupações urbanas no Brasil.

Será que estão todos dispostos a defendê-los?

Influenciáveis – Ver outra pessoa bocejando dá vontade de fazer o mesmo? Uma nova pesquisa aponta que, no frio, o bocejo é menos “contagioso”. Para esses cientistas que conduziram o estudo, o ato serviria para resfriar o cérebro. Como diz a matéria, é uma explicação mais simpática para quando a abrição de boca vem em momentos impróprios.

Fogo amigo – Na Venezuela, o presidente Nicolás Maduro enfrenta, agora, a oposição de um ex-ministro. Demitido, Jorge Giordani, que estava no Ministério do Planejamento, acusou o chefe de estado de corrupção e de abuso nos gastos públicos para garantir sua eleição em 2012. Duas bandeiras da oposição. O artigo de Clóvis Rossi detalha o assunto.

Aposentadoria? – Na política brasileira, o assunto da semana foi a aposentadoria de José Sarney. Ele, que assumiu o primeiro cargo aos 36 anos, momento documentado por Gláuber Rocha e continua décadas depois, ocupando uma cadeira no Senado. Neste excelente artigo, Josias de Souza explica que, mesmo aposentado, o ideário de Sarney continuará persistindo.

Aposentado, Sarney cuidará para que “Sarney” não descuide de sua missão. Que é a de servir de inspiração para todos os políticos que sonham com a transposição do atraso de suas almas regionais para dentro das instituições federais. Iniciado com a chegada das caravelas, esse plano de institucionalizar o atraso está em execução permanente.

Óculos – Uma pesquisa científica relacionou os níveis de escolaridade de uma população à ocorrência de miopia. Mais de 4600 alemães de idades variadas foram avaliados por cientistas da Universidade de Mainz. Foram analisadas predisposições genéticas e a escolaridade. A conclusão foi de que 53% dos formados em universidades tinham o problema e que cada ano de estudo aumentava o risco de desenvolver miopia. A reportagem completa está neste link.

  Comentários
 

Curtas e curtinhas

por Luis Borges 27 de junho de 2014   Curtas e curtinhas

Equipamentos de segurança – Depois do airbag e dos freios ABS, cuja obrigatoriedade em veículos automotores quase foi para o espaço, agora chegou a vez das câmeras de ré. Um projeto sobre a obrigatoriedade dos aparelhos será analisado pela Comissão de Constituição e Justiça do Senado e, se aprovado e sancionado, entrará em vigor em 2020.

Domésticos – Quinze meses após a promulgação da Proposta de Emenda à Constituição que amplia os direitos do trabalhador doméstico, a Câmara dos Deputados ainda não conseguiu aprovar a sua regulamentação. E olha que muito tambor foi batido também de maneira eleitoreira por ocasião do feito.

Convocação – De recall em recall o setor automotivo vê seus principais indicadores em queda, enquanto o governo Federal tenta afagá-lo com um saquinho de bondades. Será que os efeitos serão suficientes para influenciar e mudar os rumos da bipolarização das eleições presidenciais?

Na rua – A vida depois da Copa já começa a ser alvo de muitas indagações. Como prosseguirá o trabalho dos 15 mil agentes de segurança? Continuarão nos mesmos locais os moradores de ruas que delas foram retirados? Sobre o assunto, indico esta reportagem, que aborda de forma completa e esclarecedora a situação dessa população de Belo Horizonte. Meu palpite para depois da Copa é que, como tudo que é feito em ritmo de campanha, a tendência natural é que as situações voltem a ser como antes. O que não muda nunca é a violência das forças policiais diante dos moradores de rua apesar dos clamores e protestos. Para escapar, só na sorte.

Voto – Muita gente reclama por não ter em quem votar nas próximas eleições, mas nem se lembra em quem votou na última vez. Com toda a insatisfação e a reivindicação por mudanças, acredito que uma boa política para nortear a escolha seria não votar em bananeira que já deu cacho. Aliás, mais para ela do que para a sociedade.

Câncer de mama – O Sistema Único de Saúde poderá incluir nas suas coberturas os exames para identificação de biomarcadores para câncer de mama. Eles seriam destinados a mulheres com antecedentes familiares da doença e, nos casos positivos, tratamentos e intervenções preventivas. Projeto de Lei nesse sentido, tramita na Comissão de Assuntos Sociais do Senado que, pelo visto, poderá se reunir após a Copa.

Impostos – A reforma tributária no Brasil é um velho sonho que continua cada vez mais distante. O setor de saneamento básico reivindica há algum tempo a isenção dos tributos relativos ao PIS/Pasep e Cofins. Projeto de Lei está tramitando na Câmara dos Deputados e prevê a compensação desses tributos para as empresas do setor optantes pelo sistema de lucro real. Em mais uma tentativa de se fazer reforma em fatias, a justificativa baseia-se na relevância social e nos impactos que a água tratada e a coleta e tratamento de esgotos sanitários têm para a saúde das  pessoas.

  Comentários
 

Os (quase) acidentes nas rodovias

por Luis Borges 26 de junho de 2014   Pensata

Há uma semana peguei a BR-262, no trecho entre Belo Horizonte e a capital secreta do mundo, a cidade eterna de Araxá. Aproveitando o feriado de Corpus Christi, fui na sexta, 20, e retornei domingo, 22, sempre na parte da tarde. Aproveitei para observar e analisar a viagem, o que me deixou estarrecido com a quantidade de quase acidentes no percurso. E olha que estava acompanhado de um motorista muito bom, altamente habilidoso para enfrentar as surpresas do trajeto.

A cada novo “quase”, os quatro viajantes do carro respiravam aliviados. O primeiro foi no município de Ibiá. No trecho, havia terceira faixa para quem vinha no sentido de Belo Horizonte. Como as duas estavam ocupadas, um ônibus de turismo entrou rasgando para ultrapassar os dois veículos. A nós, certinhos em nossa pista, só restou jogar o carro no acostamento, dar uma prolongada buzinada de desabafo e retomar a respiração cadenciada aos poucos.

Na volta, outro susto quando alguns veículos tentaram fazer uma ultrapassagem pelo acostamento à direita e, ao ficar sem chão, tentavam forçar a entrada na pista com muita imprudência. Um terceiro quase acidente foi quando um motorista com o veículo cheio de crianças fez uma ultrapassagem numa curva, obviamente sinalizada com a faixa contínua. Como vinha uma imensa carreta em sentido contrário, ele jogou o carro à nossa frente e não quis nem saber. “Quase!”, foi a exclamação geral.

Em Pará de Minas, havia degraus na pista e uma placa pedindo “cuidado, pista com defeito”. O que não foi suficiente para conter os imprudentes. Em todo o trajeto de ida e volta, havia a absoluta falta de fiscalização da Polícia Rodoviária Federal. Se com essa parca fiscalização somos bombardeados com números de tragédias a cada feriado, imagino o que poderia acontecer se a fiscalização fosse mais intensa.

Ainda assim, fica claro que a disciplina, a prudência e o cumprimento das normas de trânsito facilitariam muito a vida de todos. É bom lembrar que as estradas brasileiras registram muitas colisões frontais, decorrentes de ultrapassagens indevidas. Só para concluir, também fiquei impressionado com a quantidade de motoristas que não dão seta, quase dando a impressão de que é feio fazê-lo. E olha que existe a direção defensiva para minimizar tantos sustos.

A vista da Matriz de São Domingos, em Araxá, em clique de julho de 2013 (Foto: Marina Borges)

A vista da Matriz de São Domingos, em Araxá, em clique de julho de 2013 (Foto: Marina Borges)

  Comentários
 

Visitas de longe – Um amistoso e a Copa foram responsáveis por trazer ao Brasil as seleções da Croácia, Bósnia e Herzegovina e Sérvia. O que me lembrou a República Socialista Federativa da Iugoslávia, que adotava regime comunista e existiu entre 1945, após a Segunda Guerra Mundial, e 1992.  É indissociável desse período a imagem do marechal Josip Broz Tito. Inicialmente Primeiro Ministro, foi eleito presidente em 1953 e se tornou presidente vitalício entre 1963 e 1980, quando faleceu. Depois disso, cresceram as tensões entre as repúblicas federativas, culminando na separação. Hoje o mapa geopolítico registra seis repúblicas, sendo a Sérvia a mais populosa delas, com aproximadamente 10,2 milhões de habitantes. As outras são Croácia (4,45 milhões de habitantes), Bósnia e Herzegovina (3,93 milhões), Macedônia (2,04 milhões), Eslovênia (2,03 milhões) e Montenegro (685 mil). O Kosovo é uma província autônoma com 1,84 milhão de habitantes ligada à Sérvia, que não reconhece a sua autonomia. No auge do titoísmo uma pergunta frequente era “o que seria da Iugoslávia sem o Marechal Tito?”. A história trouxe a resposta: não deu mais para segurar.  

Selo comemorativo com imagem do general Tito

Selo homenageando Tito (Fonte: Wikimedia Commons)

PIB – Os economistas ouvidos para o semanal Boletim Focus, do Banco Central, projetam que o Produto Interno Bruto do Brasil nesse ano será de 1,16%. Como se vê, a cada semana ele fica mais longe do número usado nas projeções orçamentárias do início do ano.

Recordar é viver – No capitalismo sem risco, muitas pessoas têm memória muito curta. Neste momento muitas delas estão escandalizadas com um possível calote de U$1,3 bi que poderá ser dado pela Argentina e nem se lixam  para o que aconteceu com os maternais empréstimos feitos pelo BNDES ao grupo EBX de Eike Batista.

Falta de educação – O lixo produzido pelos torcedores nas comemorações depois dos jogos da Copa, seja na na praça da Savassi (BH) ou na Vila Madalena (SP) só pra citar dois exemplos, contrasta muito com a disciplina e senso de limpeza dos torcedores japoneses presentes no Brasil.

Japonês ajuda na limpeza do estádio

Japonês ajuda na limpeza do estádio (Foto: Chandy Teixeira, publicada no site Globoesporte.com)

  Comentários
 

Pensando adiante

por Luis Borges 25 de junho de 2014   Pensata

Por Igor Costoli

Muitos comemoraram a última atuação brasileira, que fechou a participação na primeira fase do mundial. Finalmente a equipe de Scolari colocava em prática nesta Copa a estratégia que funcionou bem ano passado: blitz nos primeiros minutos, marcação sob pressão, roubada de bola e gol do Brasil abrindo o placar. Infelizmente, não deve se repetir.

Esse “abafa” deu resultado contra Japão, México e Espanha na Copa das Confederações. Apenas o Uruguai e Itália sobreviveram aos primeiros 15 minutos sem sofrer gol contra o Brasil. A estratégia exige bom preparo físico, e é essa a diferença sutil entre o time de 2013 e o de 2014, mesmo com escalações idênticas.

Os torneios Fifa acontecem em junho, final da temporada europeia e metade da temporada brasileira. Dos grandes destaques da seleção no ano passado, três titulares atuavam no Brasil: Neymar pelo Santos, Fred pelo Fluminense e Paulinho pelo Corinthians. Dos reservas que entravam bem, Jô vivia seu auge pelo Atlético na Libertadores.

O jogador Paulinho domina a bola durante partida pelo Tottenham

Paulinho durante partida pelo Tottenham (Foto do site Squawka News)

Pouco depois, Neymar foi vendido ao Barcelona e Paulinho ao inglês Tottenham. De modo que, independente de terem alternado momentos de titularidade e reserva, ambos estão há um ano e meio sem férias e sem pré-temporada. Neymar, sem o mesmo fôlego, segue se destacando. Mas Paulinho, que era o coração do meio-campo brasileiro, tem atuado mal, sem ritmo de jogo e com baixo poder de marcação.

Fred passou o segundo semestre de 2013 contundido, e já não é mais um garoto. Vinha sendo muito pouco participativo e, antes do jogo contra Camarões, seu lance de maior destaque foi simular com sucesso um pênalti na abertura da Copa.

O jogador Fred, de bigode, no gramado

Fred e seu novo visual (Foto do site da revista GQ, propriedade do banco de imagens Getty Images)

O Brasil não passou pelo traumático corte de titulares como aconteceu com várias seleções, mas a condição física do time está apenas em pé de igualdade com a dos outros. Hulk, que trocou o campeonato português pelo russo, não mostra o mesmo rendimento e está sempre sendo poupado em treinos. Já o lateral Daniel Alves não vem sendo decisivo como antes no ataque, e sua marcação piorou – os dois gols sofridos pelo Brasil na primeira fase do mundial passaram pelo setor direito.

Por isso a atuação da última segunda-feira não deveria ser tão comemorada, já que o adversário era um dos piores times da Copa. É preciso lembrar que Camarões entrou em campo sem chances de classificação. Além disso, seus jogadores ameaçaram boicotar o torneio por conta de brigas sobre premiação e dois atletas quase se agrediram em campo no jogo contra a Croácia – evidência de que as brigas internas não era só boatos.

Para enfrentar o Chile, o Brasil precisará mostrar muito mais. E a solução talvez passe por entender que um ano é muito tempo para um atleta, e que a fase de alguns titulares não é mais a mesma.

Igor Costoli é jornalista e radialista de formação e atleticano de coração. É produtor e apresentador do Programa Invasões Bárbaras; na Rádio UFMG Educativa.  

  Comentários
 

Vale a leitura

por Luis Borges 22 de junho de 2014   Vale a leitura

Sem padrão – A dupla queijo parmesão e macarrão é uma delícia, mas pode ter a qualidade comprometida, principalmente por causa do queijo. Uma dissertação de mestrado defendida na UFMG analisou amostras vendidas em Belo Horizonte e descobriu que algumas não seguem o tempo mínimo de maturação ou têm excesso de sal. Por essas e outras, talvez seja melhor ficar mesmo com o queijo minas.

EducaçãoLeia a análise de Jânio de Freitas sobre o palavrão destinado à presidente Dilma na abertura da Copa.

A cafajestice é a regra, sem diferenciação entre as classes econômicas. Na vulgaridade da linguagem, na indumentária “descontraída”, na ganância que faz de tudo um modo de usurpar algo do alheio, na boçalidade do trânsito, nos divertimentos escrachados, na total falta de respeito de produtores e comerciantes pelo consumidor, enganado na qualidade e furtado no valor –em tudo é o reinado do primarismo mental e dos modos da falta de educação.

Sistema elétrico – Mais um tema que vai dominar a campanha eleitoral de 2014. Esta matéria da Carta Capital explica o setor e os problemas que afetaram a produção de energia neste ano.

Educação x profissão – Neste texto o professor Daltro José Nunes explica como funciona a regulamentação de cursos universitários e profissões no Brasil, além de fazer uma pequena comparação com outros países. Por fim, ele avalia a necessidade e a função dos conselhos profissionais.

O País poderia prescindir dos conselhos profissionais. Mesmo no caso do exercício de profissões que põem em risco a saúde (único caso em que se justificaria a regulamentação da profissão), o exercício da profissão e a responsabilidade profissional poderiam ser resolvidos na Justiça, e as questões salariais nos sindicatos. Aliás, esgotados os recursos administrativos no âmbito dos Conselhos, a Justiça já oferece a palavra final.

Inevitável – O assunto não faz parte do rol habitual, mas é necessário. André Barcinski explica, em seu blog, como é burocrático fazer um testamento. É preciso também preparar o coração, pois o processo gera emoções fortes.

As pessoas ficam tão preocupadas com a vida, que esquecem de cuidar do que vem quando ela termina. E os filhos? E a esposa? E o marido?

  Comentários
 

Argentina e Irã se enfrentam hoje em Belo Horizonte. Não devemos ver confusão no trânsito, já que é sábado e não tem jogo do Brasil. Na terça-feira passada, dia 17/06, teve gente que perdeu o primeiro tempo.

Fila de carros na av. Cristiano Machado, em BH, antes do jogo do Brasil

A caminho de casa

A foto acima, tirada por Sérgio Verteiro, mostra o viaduto Henriqueta Lisboa, na av. Cristiano Machado, por volta das 15h15. Na avenida de BH o trânsito de veículos estava totalmente parado na pista mista, sentido Centro-bairro.

Penso que, obviamente, era grande a ansiedade para chegar em casa, pra não perder nenhum minuto da partida. E, provavelmente, quem estava parado no trânsito não imaginaria que a dois quarteirões dali, pelo lado direito da pista, uma flor de maracujá enfeitava uma rua do bairro União no final do outono, pedindo passagem para o inverno.

Flor de maracujá aberta

A beleza da flor de maracujá, capturada por Sérgio Verteiro

No calor do trânsito também não daria para lembrar que essa flor é associada à Paixão de Cristo. Ou que, em tupi-guarani, maracujá significa “alimento dentro da cuia”. E nem daria para gracejar com o “maracujá de gaveta”, expressão do grau de enrugamento da pele do rosto de alguém.

Mas talvez, por uma dessas coincidências da vida, um motorista ou passageiro estivesse ouvindo em seu rádio a voz de Gal Costa, interpretando a música “Flor de Maracujá”, composta por João Donato e Lysias Enio.

  Comentários